• Shortcuts : 'n' next unread feed - 'p' previous unread feed • Styles : 1 2

» Publishers, Monetize your RSS feeds with FeedShow:  More infos  (Show/Hide Ads)


Date: Monday, 29 Jun 2009 15:07

Estava lendo o livro O Clube do Filme , onde um crítico de cinema tenta educar seu filho de 16 anos através de filmes. Num dos capítulos eles assistem alguns episódios da série Os Waltons :

Para concluir, alugamos alguns episódios do seriado de televisão Os Waltons (1972-81). Eu queria que Jesse ouvisse aqueles monólogos que vinham no final de cada episódio, com o narrador fazendo um balanço das coisas em tom memorialistico, de uma perspectiva adulta. Por que aquilo era tão eficaz?, perguntei a ele.
- Ahn?
- Como eles conseguem fazer a gente se sentir nostálgico em relação a algo que nunca viveu?
- Pai, eu não sei do que você está falando.

Que é exatamente o que a série Anos Incríveis (1989-93) faz com os anos 60. O que me fez lembrar de dois trechos do livro A descoberta do mundo de Clarice Lispector:

Teus olhos verdes são maiores que o mar.
Se um dia eu fosse tão forte quanto você
eu te desprezaria e viveria no espaço.
Ou talvez então eu te amasse.
Ai! que saudades me dá da vida que nunca tive!

O trecho acima é uma citação do Tom Jobim…

Lembrar-se do que não existiu
Escrever é tantas vezes lembrar-se do que nunca existiu. Como conseguirei saber do que ao menos sei? assim: como se me lembrasse. Com um esforço de memória, como se eu nunca tivesse nascido. Nunca nasci, nunca vivi: mas eu me lembro, e a lembrança é em carne viva.

E isso tudo me fez lembrar de duas canções que ao mesmo tempo que falam de coisas diferentes, falam da mesma coisa. E também trazem essa nostalgia:


Why does it always rain on me


Primeiros erros

Então. Como a gente se sente nostálgico a algo que nunca se viveu?

Technorati : nostalgia, saudade
Del.icio.us : nostalgia, saudade

Related posts

O post Nostalgia do que não se viveu apareceu primeiro em Escrita Torta em Linha Reta.

Author: "Norberto Kawakami" Tags: "Viagem, nostalgia, saudade, Séries"
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Tuesday, 19 May 2009 18:56

A série Life on Mars retrata a vida de um policial que depois de um acidente em 2009 se vê em 1973. A trama é interessante pois não há respostas imediatas para a situação em que ele se encontra e, principalmente, pelo contraste cultural das situações cotidianas. Por exemplo, como você imaginaria uma vida sem PC’s, sem internet, sem mp3, sem celular e etc?

Assistindo esse seriado, acabei lembrando de algumas coisas dos anos 70:

Na aula de geografia da 6ª série, a professora tinha pedido para fazermos um mapa da Alemanha e como muitos devem se lembrar, naquela época ela era dividida em 2: oriental – socialista – e ocidental – capitalista. Lembro-me de ter usado um atlas geográfico que ainda não havia sofrido censura e apresentava diversas cidades da Alemanha Oriental com os nomes dados pelo regime político daquele país. Uma dessas cidades era a Karl Marx Stadt – originalmente batizada como Chemnitz – que incluí no meu trabalho.

Alguns dias depois de ter entregado esse mapa à professora, lembro-me que eu havia sido o único que tinha tirado a nota máxima e na hora da devolução ela começou a fazer um discurso sobre como deveria ser uma pesquisa de mapas, elogiando o meu trabalho e blá-blá-blá que eu não entendi patavinas na época. No alto dos meus 11 anos, eu só pensei: “O que foi que eu fiz? Só copiei um mapa de um atlas. Que tem demais nisso?“. Nem preciso lembrar do que se tratava o blá-blá-blá… Hoje, fico imaginando se a professora sobreviveu à ditadura…

—oOo—

Hoje em dia é muito fácil ouvir uma rádio de outro país. Basta procurar no Google que centenas aparecerão de onde podemos ouvir seu streaming…

Mas nos anos 70, o que eu gostava de fazer era ficar caçando estações de rádio no aparelho Transglobe Philco. Lembro-me de ficar horas à noite ouvindo estações na faixa de ondas curtas e de idiomas que eu nem sequer sabia quais eram, só pela curiosidade de saber que tipo de música ouviam.

—oOo—

Os aparelhos que vou citar aqui, certamente muita gente nem sequer ouviu falar, quanto mais manusear… Alguém se lembra dos LPs de Vinil e seus Toca-Discos? E da fita K7 e Toca-Fitas?

Eu lembro que numa das minhas aulas de inglês a professora queria passar uma canção para que pudéssemos exercitar o ouvido ao idioma, fazendo o exercício de ir escrevendo a letra conforme ouvíamos a canção. Se fosse hoje, esse exercício estaria fadado ao insucesso. Basta pesquisar na internet que qualquer letra de música está ao alcance de poucos cliques. Mas naquela época, mesmo a canção Sunshine on my Shoulders (1971) sendo um hit, pouca gente tinha acesso a letra.

Mas como fazer para passar um LP para uma fita K7? Essa convergência tecnológica ainda não era popular no Brasil.

A minha solução foi a seguinte: Usei uma vitrola – VITROLA! – portátil da Sonata e apontei a sua única caixa acústica em direção do microfone do gravador de fita k7. Coloquei minhas mãos meio que em forma de concha para concentrar um pouco mais a potência sonora – que deveria ser de uns 10watts. E o resultado foi excepcional, dada as condições. Mas o difícil mesmo, foi conseguir uns 5 minutos de silêncio no ambiente para gravar a música.

—oOo—

Depois que o meu avô nos trouxe do Japão um rádio-gravador Sanyo, eu tive a oportunidade de ouvir uma estação de rádio FM que estava recém inaugurada. Era a Rádio Difusora de São Paulo e a canção que ouvi era o Sultans of Swing do Dire Straits. Custei a conseguir gravar essa canção sem aquelas interrupções dos locutores e fade-outs antes da música terminar. Aliás, isso é uma coisa que considero chato até hoje. Me dá uma sensação de perda. Se eu quero ouvir uma música, quero ouvi-la inteira.

Essa convergência iniciou uma era: a da caça às músicas completas nas diversas rádios FM que foram surgindo.

—oOo—

Alguém aí já datilografou algum trabalho para a escola? Heim?!

Datilografar era transcrever um texto com uma máquina de escrever. Nós tínhamos uma Olivetti Lettera portátil. Dá para perceber que o próprio processo de criação de um texto era diferente naqueles dias. Primeiro tinhamos que escrever um rascunho no papel. Somente depois desse rascunho estar completo e corrigido é que pegávamos a máquina e passavamos o texto para o formato datilografado. A coisa mais chata que tinha, era saber se no final da linha certa palavra caberia ou não. Nessa máquina, havia um recurso para tentar ajudar o datilógrafo: quando faltavam 10 toques para o final da linha, soava um sino. Era um saco ficar descobrindo quantas letras eu ainda tinha para escrever e se determinadas palavras caberiam nela. Em toda a linha, o ritmo da transcrição era interrompido.

Isso sem falar nos erros de transcrição… Corretivo líquido? Ninguém merece… mas naquela época era o que existia de mais moderno. Aff…

Technorati : Anos 70, Life on Mars, Series
Del.icio.us : Anos 70, Life on Mars, Series

Related posts

O post Life on Mars e os anos 70 apareceu primeiro em Escrita Torta em Linha Reta.

Author: "Norberto Kawakami" Tags: "Blog, Anos 70, Life on Mars, Séries"
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Wednesday, 29 Apr 2009 00:12

monkey_thinking.jpg
Foto: BigBear3001

Toda a vez que ouço alguém aplicar a idéia da seleção natural criada por Charles Darwin e divulgada em seu livro “A Origem das Espécies”, eu percebo que essa pessoa não entendeu o que é esse conceito.

O argumento aplicado na internet é sempre o mesmo: Deixar a seleção natural cuidar das coisas, pois daí os melhores sempre se sobressairão.

Não há ideia mais errônea que essa. Ainda mais quando usada nos blogs monetizados.

Para começar, a seleção natural NÃO SE REFERE à escolha dos melhores, porque melhor e pior são classificações culturais humanas. E se pensarmos principalmente na multiplicidade das pessoas que estão na rede, essa classificação fica ainda mais confusa. Melhor e pior em relação a quê?

O que a seleção natural diz é que se uma determinada característica for favorecida pelo ambiente, ela será mais transmitida às gerações seguintes.

Se olharmos para a internet com o viés da monetização, é possível perceber que cada vez mais teremos blogs e sites monetizados pois, por enquanto, ainda que com a crise econômica, essa característica é favorecida, mesmo que o conteúdo do blog ou site esteja visando apenas o paraquedista-clicador-maluco.

Isso só começará a mudar quando o ambiente mudar e favorecer outro tipo de característica. E quem é que tem esse poder de alterar o ambiente dos blogs e sites monetizados? Os anunciantes, é claro! Mas enquanto eles considerarem que o jogo está a seu favor, pouco desse quadro mudará. Do meu ponto de vista, creio que ainda faltam elementos para eles decidirem se o jogo está realmente a favor. E sendo a internet um campo de ação relativamente novo, a maioria considera que é melhor errar aí, ao invés de não fazer nada e só depois perceber que se perdeu terreno. Penso que enquanto existir esse espírito, haverá terreno para qualquer um monetizar o seu conteúdo, seja ele qual for.

Entretanto, você poderá argumentar que os leitores dos blogs e sites é que acabarão sofrendo pela falta de conteúdo e deixarão de lê-los. Mas neste caso, tratamos de um outro ambiente chamado SEO e Engenharia Social. E aqui, novamente, quem estiver mais adaptado a esse ambiente é o que irá durar por mais tempo. E isso tem pouco que ver com o ser melhor ou pior. E de novo pergunto: Melhor ou pior para quem? Ora, se não se tem leitores fiéis, basta aprender como trazer novos leitores. Lembram-se do Notícias Populares?

O que podemos perceber em ambos os casos que citei, é que ter um conteúdo bem adaptado às regras do mercado e da monetização, é pouco relacionado com o melhor (?!) conteúdo ou conteúdo informativo, informativo aqui no sentido de que se provê a informação que o leitor procura. Extrapolando um pouco mais, pode-se dizer ainda que ter o melhor (?!) conteúdo NÃO é garantia de que você será visto e lido. E se deixar por conta da dita seleção natural que muitos falam por aí, certamente não terá muitas chances de se sobressair.

Enfim, sem saber os limites de sua aplicação, como em toda teoria, o que resulta de metáforas são palavras vazias.

Technorati : Darwin, Internet, Seleção Natural
Del.icio.us : Darwin, Internet, Seleção Natural

Related posts

O post Seleção Natural e Internet apareceu primeiro em Escrita Torta em Linha Reta.

Author: "Norberto Kawakami" Tags: "Blog, Darwin, Internet, Seleção Natura..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Tuesday, 21 Apr 2009 15:09

Depois de 5 anos, a série Epitáfios tem uma 2ª Temporada.

Para quem não a conhece, eu recomendo muito que assistam a 1ª temporada, já que a estória dos personagens policiais protagonistas da 2ª é contada lá. O resumo é simples: uma pessoa se torna um serial killer por conta de uma vingança, um ajuste de contas com o passado. Lembra muito Seven e a série Dexter.

Série Epitáfios - 2ª Temporada
Foto: HBO

Eu estou revendo a 1ª temporada, só que com os olhos de quem já visitou a cidade onde se passa a estória. Em 2004, lembro-me que o canal HBO alardeava que Epitáfios era a 1ª série totalmente produzida na América Latina, mas nunca dizia de onde era. Desconfiava que era em Buenos Aires, mas não tinha certeza. Hoje, revendo a série, eu e a Nalu brincamos de lembrar de onde é aquela cena externa daquela cidade.

Para quem não tem TV a cabo, a série Epitáfios – 2ª Temporada tem um site na internet com várias informações adicionais e principalmente, com o episódio online da semana. Totalmente grátis e legendado em português para quem não arranha no castellano. Para quem quiser assistir, basta acessar Série Epitáfios – Episódios Online. Com isto, parece que a indústria do entretenimento está começando a entender o que é a internet.

Technorati : dicas, epitáfios, séries
Del.icio.us : dicas, epitáfios, séries

Related posts

O post Série Epitáfios – 2ª Temporada apareceu primeiro em Escrita Torta em Linha Reta.

Author: "Norberto Kawakami" Tags: "Blog, Dicas, epitáfios, Séries"
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Monday, 06 Apr 2009 19:48

Hoje eu me lembrei de um filme japonês que assisti há muito tempo e que se chama Depois da Vida (Wandafuru Raifu – 1998).


Depois da Vida

Esse filme, como vocês poderão ler na crítica que linkei, se passa num lugar onde esperamos para fazer a transição para o mundo dos mortos. E nessa espera de 3 dias, tem-se que escolher APENAS uma memória da qual poderemos levar conosco para sempre.

A primeira memória que eu pensei em escolher foi a do dia do meu casamento. Nesse dia soube que o passo que estava dando era o mais acertado que já tinha sido feito em toda a minha vida. E até hoje, depois de quase 8 anos de casado, ainda tenho essa certeza.

Mas pensando melhor, vi que a escolha havia sido egoísticamente apontada. Existe uma lembrança muito melhor que traz alegrias para mim e para a Nalu, como no casamento, mas que se repete todos os dias. É o nascimento do nosso filho, que não-coincidentemente marcou o nosso nascimento como pai e mãe.

Talvez seja até normal os pais acharem que o seu filho é especial, mas no nosso caso, quando as pessoas que tem contato com ele diariamente dizem o mesmo, é porque há algo que o ilumina. Então, eu só tenho que agradecer a felicidade que me dá, todas as vezes em que olho para ele e vejo aquele sorriso maroto.

E porque eu estou aqui falando desses lugares comuns – que de comuns não tem nada, porque raramente vejo isto por aí – ?

É porque serei pai novamente. E sei que cada vez mais, vai ser difícil ter que escolher APENAS uma memória para guardar.


Lugares Comuns

Technorati : Filme, Ideia, Morte, Nascimento
Del.icio.us : Filme, Ideia, Morte, Nascimento

Related posts

O post Depois da Vida – Lugares Comuns apareceu primeiro em Escrita Torta em Linha Reta.

Author: "Norberto Kawakami" Tags: "Blog, Buenos Aires, Filme, Ideia, Morte,..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Wednesday, 01 Apr 2009 01:10

Que a série LOST é um sucesso, todos já sabem. Para mim, o seu maior mote é também o que me irrita mais, ou seja, nenhum episódio é uma estória completa. Sempre fica devendo alguma explicação e isso acaba enchendo o saco. São 5 temporadas de pura falação que cada vez que penso nisso, concluo que o final será uma completa decepção, ou inconclusivo para que a série fique na boca do povo por mais alguns meses.

De qualquer forma, tem um pessoal que já sacou isso e fez diversas paródias, misturando outras séries e personagens, já que naquela ilha pode acontecer de tudo mesmo… Só para vocês terem uma ideia, assistam o vídeo com LOST e Harry Potter…


Veja LOST e Harry Potter JUNTOS!

E eles sacaneiam não só com o Harry Potter, mas também com Star Wars , Piratas do Caribe , Senhor dos Anéis , Indiana Jones , Heroes e Batman . É ver e rolar de rir…

Technorati : Lost, Paródia, Séries
Del.icio.us : Lost, Paródia, Séries

Related posts

O post LOST e Harry Potter? apareceu primeiro em Escrita Torta em Linha Reta.

Author: "Norberto Kawakami" Tags: "Seriados, Lost, Paródia, Séries"
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Wednesday, 18 Mar 2009 18:17

Que a crise chegou também nos blogs ninguém duvida. Estou vendo – a partir dos relatórios dos meses de dezembro, janeiro e fevereiro – que a queda foi acentuada de modo que com um número maior de visitas, em relação ao mesmo período do ano passado, a grana que entrou foi bem menor se comparada com aquele mesmo período.

Mesmo com a crise, agora é o momento em que devemos fazer mais alguns investimentos para que a sua fatia do bolo não diminua ainda mais. A ideia aqui é aplicar a regra 80 20 – Princípio de Pareto – nos blogs, ou seja, que 80% dos ganhos vem dos 20% dos seus esforços. E portanto, tentar identificar quais são esses 20%…

Loja do Mercado Livre

Pensando nessa regra, decidi incluir nesses 20% a loja do Mercado Livre idealizada e mantida por Jobson Lemos, Janio Sarmento, Luiz Gadetto e Stanislaw Pusep.

Caso queira ter uma loja destas, basta baixar o arquivo zipado da loja na página http://download.secundum.com.br, descompactá-lo e seguir as instruções que estão nele. A instalação é fácil e basicamente se consiste numa execução de um script PHP que faz todo o serviço.

E se mesmo com essa facilidade ainda precisar de ajuda, assine a lista Tenha Uma Loja em Seu Site no Google Groups que certamente receberá as informações de que precisa.

Lembre-se dos 20%

E então com a loja instalada, temos que fazer com que a mesma seja indexada pelo Google. E é aqui, neste caso, que temos de lembrar do Princípio de Pareto. Não se esforce tanto para ter muitas páginas da loja indexadas rapidamente. Uma indexação mais lenta pode levar a resultados mais duradouros. Pela experiência que já trocamos na lista, pudemos perceber que as tentativas mais extremas levaram a completa desindexação da loja, o que significou um retrabalho num novo subdomínio.

Ganhos

Por enquanto eles tem se mostrado pequenos, mas crescentes. O que eu considero bastante promissor já que não gasto muito tempo com elas.

E o que o pessoal que criou e mantém a loja ganha com isso?

Bem, a ideia é que eles coletem 1 clique a cada 7 efetuados na loja, ou seja, aproximadamente 15% dos cliques que ocorrem nas lojas são deles. Um sistema bastante justo para uma loja onde o investimento é o seu tempo.

Technorati : Dicas, Dinheiro, Loja, Mercado Livre
Del.icio.us : Dicas, Dinheiro, Loja, Mercado Livre

Related posts

O post Lojas do Mercado Livre apareceu primeiro em Escrita Torta em Linha Reta.

Author: "Norberto Kawakami" Tags: "Dinheiro, Dicas, Loja, Mercado Livre"
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Thursday, 26 Feb 2009 00:23

Há várias formas de você divulgar as suas fotos pela internet usando o Flickr. Eu mesmo já mostrei por aqui duas formas – por slideshare e por criação de mosaico.

A terceira forma que apresento hoje foi criada pelo Roy Tanck, onde ele aproveitou a idéia do plugin WP-Cumulus que uso atualmente aqui no blog para gerar a minha nuvem de tags.

Basicamente o que ele faz é apresentar um feed de fotos do Flickr na nuvem, ao invés de apresentar uma série de links. Para obter uma nuvem sua, basta acessar a página Get My Flickr Widget no blog do autor e informar apenas o feed, a altura e largura do widget desejado e a sua cor de fundo. O resultado é apresentado na hora. A partir dele, basta copiar e colar o código html gerado em qualquer parte do seu blog.

Como exemplo, veja o resultado que obtive com o meu álbum do origamis.

Get this widget at roytanck.com

Bastante simples, não é mesmo?

Del.icio.us : Fotografia, Fotos, Nuvem

Related posts

O post Como Criar uma Nuvem de Fotos apareceu primeiro em Escrita Torta em Linha Reta.

Author: "Norberto Kawakami" Tags: "Fotografia Digital, Fotografia, Fotos, N..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Saturday, 21 Feb 2009 17:35

Enfim, chegou o Carnaval. Alias, você sabe como se determina essa data? É relativamente fácil.

O que é o Equinócio de Primavera? O equinócio é quando o dia e a noite calham de durar o mesmo tempo de aproximadamente 12 horas. O equinócio de primavera – em março no hemisfério norte e em setembro no hemisfério sul – é uma época em que se festejava o renascimento da natureza nos rituais pagãos e tinham como símbolo o ovo e o coelho. Neste ano, este dia é 20 de março que para nós, no hemisfério sul, é o Equinócio de Outono.

Agora o que temos que observar é qual a próxima Lua Cheia. Esquecendo a mitologia do lobisomem, a lua cheia é a época de homenagem às mães da natureza, segundo – ainda – alguns rituais pagãos. A próxima depois do dia 20 de março é no dia 09 de abril que cai numa quinta-feira.

A Páscoa, que sempre é num domingo, é um evento do calendário cristão. Acho que dispensa maiores explicações, já que no Brasil, 89% da população é cristã. Essa data é o domingo posterior a aquela lua cheia. Assim, neste ano a Páscoa é no dia 12 de abril.

Daí, fica fácil. O domingo de Carnaval é o 7º domingo anterior ao domingo de Páscoa, ou seja, neste ano é o dia 22 de fevereiro. Acho que também dispensa qualquer explicação…

Que mistura pagã-cristã, heim! Totalmente adequado ao espírito carnavalesco…


Technorati : Astronomia, Carnaval, Feriado

Related posts

O post Carnaval e Páscoa apareceu primeiro em Escrita Torta em Linha Reta.

Author: "Norberto Kawakami" Tags: "Cotidiano, Carnaval"
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Wednesday, 18 Feb 2009 19:56

O grupo El Cuarteto de Nos é mais um exemplo de que nós brasileiros estamos alheios a tudo o que acontece na América Latina.

O El Cuarteto surgiu nos anos 80 em Montevidéu – Uruguay, tendo lançado o seu primeiro álbum – El Cuarteto de Nos – em 1984. De lá para cá já foram mais 10 lançamentos com direito a 4 discos de platina e 6 discos de ouro. E mesmo com esse sucesso todo, não ouvimos sequer um A sobre essa banda. Pior ainda quando nos damos conta de que não estamos tão longe assim daquele país.

Para vocês terem uma idéia do estilo humor ácido que eles cantam, deem uma olhada nestes dois vídeos cujas músicas estão no último álbum – Raro (2006) – que também recebeu um disco de platina. Para ouvir outras músicas mais, basta visitar o MySpace que eles mantem.

Veja o vídeo Ya no sé que hacer conmigo.

Veja o vídeo Yendo a la casa de Damián.


Technorati : cuarteto de nos, música

Related posts

O post Música e Idioma: El Cuarteto de Nos apareceu primeiro em Escrita Torta em Linha Reta.

Author: "Norberto Kawakami" Tags: "Música, Espanhol"
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Monday, 09 Feb 2009 13:59

E fechando o ciclo de posts sobre Buenos Aires, depois de uma semana que já estou aqui no Brasil já deu para sentir a falta de algumas coisas:

- Cidade plana onde podemos caminhar quilômetros sem ver uma subida. Tem gente que acha isso uma monotonia, mas eu prefiro trocar a vista da Serra do Curral por uma cidade mais plana. Se conhecessem Santiago no Chile, que é plana e de onde vemos à leste – de qualquer ponto da cidade – a Cordilheira dos Andes, talvez não achassem isso com tanta certeza. Aqui no Brasil, só conheci uma cidade tão plana quanto: Vitória – ES.

- Cafés de esquina com wi-fi gratuitos. Esse é um capítulo à parte. Do mesmo modo que existem muitas livrarias, nessa cidade também há muitos restaurantes e cafés com redes Wi-Fi gratuitos. Basta ver o símbolo na porta que certamente o seu uso é livre. É sentar e usufruir.

Wi-Fi Zone

Só tenha a decência de consumir algo se quiser usá-la. Afinal de contas, se não existe “almoço grátis” para você, não existe para os outros também.

Eu andei com o meu E61 por todo lado e consegui acessar a internet, bastando apenas achar um café. É o paraíso dos geeks.

- Livrarias e mais livrarias. Como disse uma vez, é como se na Avenida Paulista existissem mais de uma dezena de Livrarias Cultura. Se é mito que Buenos Aires tenha mais livrarias que no Brasil, ainda assim, se considerarmos a população dos 2 países, podemos dizer: “Vai gostar de ler assim lá em Buenos Aires!“. A minha sugestão fica para a rede de livrarias El Ateneo que tem o Impresso Café. Livros, comida/bebida e Wi-Fi. Tudo no mesmo lugar.

- Tataki: restaurante peruano-japonês que depois de frequentá-lo, o meu conceito de restaurante japonês mudou. Não são porções raquíticas com preços estratosféricos como às que estamos acostumados por aqui. Nesse restaurante, as opções de makis, sushis e sashimis são tão generosas quanto saborosas. Como sugestão, fica o Uramaki Buenos Aires. Só de lembrar, já fico com água na boca…. E como não poderia ser diferente, aqui também tem Wi-Fi.

- O aroma de nardo. Foi só depois de minha esposa ter falado é que descobri. Era esse aroma que sentia por todo lugar que ia. E como ela mesma disse, essa também é uma das identidades dessa cidade.


Technorati : Buenos Aires, Café, Livraria, Nardo, Restaurante

Related posts

O post Saudades de Buenos Aires apareceu primeiro em Escrita Torta em Linha Reta.

Author: "Norberto Kawakami" Tags: "Viagem, Buenos Aires"
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Wednesday, 04 Feb 2009 16:50

Como já disse na outra vez, fazer turismo à pé nos dá oportunidades únicas.

Na viagem que fiz mês passado, estava caminhando por uma rua até que então, ouvi uma música que gostei. Não perdi a oportunidade e fui lá na loja perguntar qual era o CD que estava tocando…

Tanghetto - Emigrante

O porteño que me atendeu, não só mostrou o CD, como começou a contar a estória do Tanghetto e de como esse estilo de música – o tango eletrônico – se difundiu bastante. Como ele contou, isso aconteceu graças ao Astor Piazzolla que rompeu com a tradição e uniu o tango ao jazz. E que a partir daí, todos fizeram e ainda fazem o que querem com o bandoneón

Se isso foi uma crítica ou elogio, eu não sei… Mas estão aí duas músicas para vocês ouvirem e decidirem por conta própria.

A Alexanderplatz Tango foi a que ouvi quando passeava e é a 3ª faixa do CD Emigrante. As imagens que compõem o vídeo são da cidade de Barcelona na Espanha, segundo a autora do mesmo.

Esta aqui é a Biorritmo que também gostei. Esta música está no CD Tangophobia vol.1

Enfim, se a música não é excelente para uns e outros, pelo menos abre portas para que as novas gerações conheçam as antigas e entendam a si próprios.


Technorati : Buenos Aires, Música Eletrônica, Tango

Related posts

O post Música e Viagem: Tanghetto apareceu primeiro em Escrita Torta em Linha Reta.

Author: "Norberto Kawakami" Tags: "Música, Viagem, Buenos Aires, Tanghetto"
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Thursday, 29 Jan 2009 14:02

Fechado por Motivo de Férias

Vir a Buenos Aires em janeiro é muito bom. O dia é bastante longo, só anoitecendo depois das 21 horas e todo o passeio que se quiser fazer, pode ser feito à pé sem nenhum problema. E nessas caminhadas, você poderá notar algo bastante diferente.

Em janeiro a cidade está bastante tranquila, com trânsito leve e muitos turistas. Neste mês, você irá notar que o ritmo dos negócios por aqui passa bem longe daquilo a que estamos acostumados nos grandes centros do Brasil. Imagine só: você chega a uma loja recomendada por algum porteño e dá de cara com as portas fechadas no horário comercial. A princípio, pode-se pensar que se chegou muito cedo, pois como costuma ser, as lojas aqui abrem lá pelas 10 da manhã.

Aí, então, você lê um aviso na porta

Cerrado por Vacaciones – de 19 de enero hasta 01 de febrero

Como assim? Fechado para férias?

É isso mesmo. Se o negócio não é essencial e não é um atrativo para turistas, é provável que ele esteja fechado para as férias no mês de janeiro.

Você conseguiria imaginar isso acontecendo no Brasil?

A partir disso, já dá para perceber que o capitalismo selvagem ainda não conseguiu pisar fundo por aqui e esmagar os negócios familiares. Mas já podemos ver que ele está começando a botar suas mangas de fora pelo que aconteceu no Caminito e pela quantidade infindável de “coisas metidas a besta” que vemos quando caminhamos por Puerto Madero.


Technorati : Buenos Aires, Negócios, Viagem

Related posts

O post Buenos Aires – Cerrado por Vacaciones apareceu primeiro em Escrita Torta em Linha Reta.

Author: "Norberto Kawakami" Tags: "Viagem, Buenos Aires, Negócios"
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Tuesday, 27 Jan 2009 19:17

O bairro Belgrano fica mais ao norte da cidade de Buenos Aires e é um dos que parece receber pouca atenção dos turistas. Talvez isto seja um reflexo dos próprios guias de viagem que o citam pouco, isso quando o fazem.

Ainda que seja um pouco afastada do centro, o metrô te leva lá sem dificuldade alguma. Basta usar a linha D e descer na estação Juramento. E estando lá, é difícil se perder. Aliás, esse é um ponto notório se compararmos com as cidades brasileiras, pois na capital porteña os quarteirões são divididos de forma a terem numeração de 100 em 100 e a maioria das ruas tem mão única. Repare no mapa como é fácil…

Mapa do Bairro Belgrano em Buenos Aires

Longe dos roteiros turísticos normais, o que o bairro pode lhe oferecer é o ritmo e o cotidiano dos porteños. Eu, entretanto, não vi isso porque fui visitar o bairro chinês exatamente quando eles estavam comemorando o ano novo no dia 25 de janeiro. Uma muvuca geral. Depois do looongo discurso do representante da embaixada chinesa em Buenos Aires, pudemos ver a tradicional dança do Dragão.

Mesmo nestas datas especiais, o bairro apresenta pouco apelo turístico – que parece se resumir em show de tango e compras – para os brasileiros. Deve ser por isso que não ouvi o idioma português sendo falado nenhuma vez por aqui. Mas se soubessem que muitas das lojas que existem na calle Florida também existem na Av. Cabildo com preços para não-turistas, isso mudaria…


Technorati : Buenos Aires, Turismo, Viagem

Related posts

O post Buenos Aires – Bairro Belgrano apareceu primeiro em Escrita Torta em Linha Reta.

Author: "Norberto Kawakami" Tags: "Viagem, Buenos Aires, Compras"
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Sunday, 25 Jan 2009 02:09

Falar de Buenos Aires e Tango é como falar de um lugar comum. Afinal de contas, quem vem a esta cidade, certamente tropeçará com algum casal de dançarinos de tango, seja lá na calle Florida, na feira de San Telmo ou mesmo no Caminito.

Mas este show que fui ontem merece a menção porque foi excelente e excedeu as minhas expectativas. Pelo que pude perceber, é um show que é válido também para os porteños – presentes em grande número na platéia – principalmente por não ser aqueles caça-níqueis engana turistas que sabemos que existem.

Ele me fez lembrar do filme O Baile (1983) de Ettore Scola. É que aqui também vemos contar uma história através da dança, só que neste caso – ao invés de vermos a história da França – assistimos a história do Tango sendo contada por ele próprio. Sensacional.

Para você ter uma ideia, assista o vídeo de divulgação feita pela própria compania de dança.

O show Tango a Tierra pode ser visto até o mês de março/2009 lá no Centro Cultural Borges que fica no último piso da Galerias Pacífico na calle Florida.


Technorati : Buenos Aires, Tango, Tango a Tierra

Related posts

O post Tango a Tierra em Buenos Aires apareceu primeiro em Escrita Torta em Linha Reta.

Author: "Norberto Kawakami" Tags: "Viagem, Buenos Aires, Tango"
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Friday, 23 Jan 2009 18:47

Se você está pensando em ir para Buenos Aires – BsAs, já vou te avisando que você pode ter uma certa decepção com relação ao seu preconceito contra os porteños, como já disse no texto Em Buenos Aires. Mas é uma decepção positiva e é natural que isso aconteça ao interagir com eles. Isto, pelo menos, é muito melhor que repetir tudo o que é dito por quem nunca esteve nesta cidade.

Para que essa interação aconteça é preciso uma pequena dose de coragem, sair sozinho pelas ruas e não ter medo de usar o seu portuñol. Aqui eles entendem o português razoavelmente bem, principalmente nos pontos turísticos e acreditem, o españes deles não é tão melhor. De qualquer forma, para interagir mesmo, o negócio é tentar fugir um pouco do lugar comum fazendo os seus passeios à pé. Durante o percurso entre um ponto turístico e outro, sempre haverá oportunidades para uma conversa, seja para comprar uma água mineral ou tomar uma gaseosa num café da esquina ou ainda, para pedir alguma informação.

Nessas andanças, o ideal é ter um mapa da cidade. Qualquer ponto de informação turística (Tourist Information Centres – CIT) lhe fornece um. Basta chegar num deles – veja no guia em português ou visite o portal oficial de turismo para saber onde encontrar um – e peça o mapa chico que é em inglês. Mas se o seu inglês não presta nem para ler um mapa, então peça o mapa em português ou no idioma que mais gostar. Quando fui pedir o meu, me ofereceram em japonês ¬¬ … Eu gostei do mapa em inglês, pois fica do tamanho de um cartão de visita quando dobrado e é bastante prático. Tem as informações das linhas de metrô, a numeração das ruas, o nome das praças e a localização dos principais pontos turísticos. Com ele, é quase impossível se perder.

Mapa de Buenos Aires
Clique na foto para ver o mapa aberto

Além do mapa, é importante carregar um bom guia. Eu particularmente gosto dos guias da Lonely Planet, pois são bastante extensos e trazem informações além do básico que qualquer outro guia traz. É quase como um blog – com opiniões e dicas salpicadas nas descrições dos locais a serem visitados – só que em papel.

Outro guia bastante interessante é o Viajar Hoy de distribuição gratuita. Como esta publicação é subsidiada pelo governo da própria cidade, há nele muitas informações que não encontramos em guia algum. São informações históricas e curiosidades que, talvez, nem os porteños saibam. Infelizmente, esse guia você só consegue em alguns hotéis, pois nas CITs eles não o tem.

Bons Guias de Buenos Aires

Do meu ponto de vista, é caminhando e conversando que se conhece uma cidade. Caso queira ver as fotos que andei fazendo e que farei até o dia 30 de janeiro, acesse o meu álbum de Buenos Aires.


Caminante, son tus huellas
el camino, y nada más;
caminante, no hay camino,
se hace camino al andar.
Al andar se hace camino,
y al volver la vista atrás
se ve la senda que nunca
se ha de volver a pisar.
Caminante, no hay camino,
sino estelas en la mar.

Trecho de Cantares do poeta espanhol Antônio Machado.

Por enquanto é isso…


Technorati : Buenos Aires, Turismo, Viagem

Related posts

O post Turismo em Buenos Aires apareceu primeiro em Escrita Torta em Linha Reta.

Author: "Norberto Kawakami" Tags: "Viagem, Buenos Aires, Guia, Mapa"
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Wednesday, 14 Jan 2009 17:27

Ping.fm e WordPress

No post WordPress Social com Plugins, dei algumas dicas de como integrar o WordPress em algumas redes sociais. Para quem não gosta de utilizar plugins no WordPress ou quer economizar recursos, existe uma saída que considerei bastante útil.

A cada dia que passa surge uma nova rede social com alguma idéia genial, ou até mesmo como uma cópia melhorada do que já existia por aí. Se você for tentar surfar todas as ondas que surgem, é provável que fique mais ocupado com elas ao invés de produzir seus textos nos blogs.

A saída, então, é utilizar um agregador de redes sociais tais como o HelloTxt e o Ping.fm. O que estes serviços fazem é concentrar várias redes sociais e neles espalhar as entradas que fizer no agregador. Tudo para facilitar a sua participação em todas as redes sociais que existem e que não são poucas não.

Eu tenho conta nestes dois agregadores, mas o de que gostei mais e que estou utilizando aqui no blog é o Ping.fm. Com ele é possível publicar o permalink do post sem qualquer plugin, bastando para isso criar um link como o que está no ícone Publicando o permalink no Ping.fm no final do post. Com isto, o que teremos é a publicação desse permalink em todas as redes sociais nos quais você tenha se cadastrado.

Esta idéia foi implementada a partir de uma dica do ricnavarro pelo twitter que indicou como fazer uma publicação no Ping.fm através de um link. Valeu!

Realmente bastante simples e sem consumir processamento do seu servidor.


Technorati : Ping.fm, WordPress, WordPress Plugin

Related posts

O post Ping.fm e WordPress apareceu primeiro em Escrita Torta em Linha Reta.

Author: "Norberto Kawakami" Tags: "Dicas, Divulgação, WordPress"
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Tuesday, 13 Jan 2009 02:59

Para você começar a estender os tentáculos do seu blog nas redes sociais, uma das saídas é começar utilizando os serviços mais famosos. Destes, com exceção do Orkut, já existem plugins no WordPress para o Facebook, o MySpace, o Twitter e o Plurk que fazem o processo automático de indicar os textos de seu blog a cada post novo que você publica.

Se o seu círculo social é bem diverso nesses serviços, certamente será um bom potencial a ser explorado. O difícil mesmo é manter todas essas redes sociais ativas e interessantes a longo prazo, ainda mais se notarmos que a cada instante surge uma rede social nova. Assim, para tirarmos algum proveito delas, certamente a automação é bem vinda.

Pensando nisso, esses plugins para o WordPress já nos ajudam – quando funcionam:

WordBook – faz um cross-post no FaceBook de seu texto assim que você o publica. É necessário PHP na versão 5. Fiz migração para testar este plugin, mas já retornei para a versão 4, pois o blog ficou mais lento, além de se mostrar incompatível com o Brian’s Theaded Comments apresentando erro 500. Agradecimentos ao Nelson pelo aviso.

MySpace Crossposter – como o nome já diz, também faz cross-post, só que para o serviço MySpace. Esse aí é difícil fazer funcionar. Tô brigando até o momento e não tive sucesso. Se você conseguir, poste seu comentário aqui no blog…

Twitter Tools – Além de criar um twitter com um link para o seu post assim que o publica, podemos fazer o inverso, ou seja, criar um post com um resumo das suas twittadas… e outras utilidades diversas.

Plurk Updater – Para quem é fã do Plurk, esse plugin cria um plurk assim que você publica um post. Também necessita do PHP 5.

Enfim, como as redes sociais pululam por aí, dá para começar a pensar se vale mesmo a pena participar de toda que aparece pela frente. Vai saber… não deve ser à toa que nasceu uma rede anti-social… e como em qualquer anti-hype que se preze, virou uma hype também. Só não sei terá algum plugin do tipo, porque quem é que vai querer visitar um blog urtigão?


Technorati : plugins, social web, wordpress

Related posts

O post WordPress Social com Plugins apareceu primeiro em Escrita Torta em Linha Reta.

Author: "Norberto Kawakami" Tags: "Plugins WordPress, Divulgação, Plugin ..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Wednesday, 24 Dec 2008 16:36

É incrível como a indústria do cinema estado-unidense consegue gerar dinheiro explorando tudo o que é possível acerca de um filme. No caso da animação Carros (Cars – 2006) não foi diferente. O meu filho já gostava tanto dos HotWheels que ver um desenho com carros que falavam, foi a glória. E depois que surgiram o DVD – que ele assistiu umas centenas de vezes – e o jogo para PC – que ele pode escolher qualquer um dos personagens – ele pode levar a experiência do filme adiante. Isso sem falar nos HotWheels com esse tema.

Mas o que me interessa falar mesmo é do jogo que brinquei algumas vezes e que através dele descobri algumas bandas diferentes… a primeira delas é o Autopilot Off de estilo Punk/Pop/Indie – não sei se a banda é essa mistura mesmo, ou se o seu estilo não é tão enquadrável como as gravadoras gostam – de Orange County. Quando descobri que eram de lá, logo veio a pergunta: Como é que em OC – lembram do seriado que passava num subúrbio de L.A.? – pode surgir um grupo punk? A resposta é simples: É que ele são de OC perto de New York a 40 minutos de Manhattan. De qualquer forma, o som que eles fazem não combina muito com o visual “certinho” que eles aparentam ter… Vai ver que é daí que o rótulo Pop entra… A música que toca no jogo é a What I Want.

A outra banda que descobri foi a All American Rejects, um grupo Pop/Rock normal. E pelo que já ouvi, parece que a melhor música que eles tem está no jogo, ao menos para o meu gosto. A música é Night Drive.

A terceira e última é a banda The Explosion da cidade de Boston e que infelizmente já se desfez no ano passado. Das 3, essa é a que para mim tem maior consistência e é a que consegui ouvir mais músicas… talvez porque tenha se aproximado mais dos estilos de música que gosto. A canção que toca no jogo é Here I Am.

É isso aí… Para quem era da época dos Bee Gees, até que consigo experimentar umas coisas diferentes…


Technorati : Carros, Jogo, Walt Disney

Related posts

O post Música e Jogos: Carros Disney-Pixar apareceu primeiro em Escrita Torta em Linha Reta.

Author: "Norberto Kawakami" Tags: "Música, Carros, Disney, Pixar"
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Tuesday, 23 Dec 2008 16:53

Mosaico de Fotos de Origami de Norberto Kawakami

Às vezes queremos apresentar várias fotos sobre um mesmo tema. Uma das alternativas é criar um slideshow como já fiz uma vez. A outra que descobri recentemente com a ajuda da Nalu foi montar um mosaico de fotos.

O serviço da BigHugeLabs é gratuito e bastante simples. Basta selecionar o layout do mosaico, a quantidade de fotos, as cores de fundo e da borda e quais fotos que você quer que apareçam.

Do flickr, você pode selecionar as fotos de várias formas. Individualmente, foto a foto, informando suas URLs ou por grupos, seja por meio de álbuns, favoritos ou tags.

Para o mosaico que você vê acima, escolhi o meu álbum de origamis. Fácil e rápido.


Technorati : flickr, mosaico

Related posts

O post Um Mosaico de Fotos apareceu primeiro em Escrita Torta em Linha Reta.

Author: "Norberto Kawakami" Tags: "Fotografia Digital, Fotografia, Mosaico"
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Next page
» You can also retrieve older items : Read
» © All content and copyrights belong to their respective authors.«
» © FeedShow - Online RSS Feeds Reader