• Shortcuts : 'n' next unread feed - 'p' previous unread feed • Styles : 1 2

» Publishers, Monetize your RSS feeds with FeedShow:  More infos  (Show/Hide Ads)


Date: Wednesday, 23 Apr 2014 11:57

Apesar de ser um pouco nova ainda, gosto de compartilhar experiências com as pessoas. Acho importante essa troca, afinal de contas, sempre é possível aprender alguma coisa. Portanto, hoje resolvi dividir algumas coisas que uma mulher aprende na vida bebendo.

Vamos ao que a mulher aprende na vida bebendo

Tudo começou há um pouco mais de uma década. Aos olhos dos bebedores mais experientes, ainda sou uma mera jovenzinha. Mas, levando em consideração que tenho 25 anos, vocês podem presumir que comecei ainda muito, mas muito nova. Importante: não estou fazendo apologia às bebedeiras (não aos menores, pelo menos), e obviamente meus pais não eram a favor. Enfim, não entraremos nesses detalhes.

Mas, chega de blábláblá e vamos ao que interessa… aos aprendizados.

1 – Vá sem medo

Acho que a primeira lição que aprendi na vida bebendo aprendida foi: beber de tudo um pouco. É, é assim que os jovenzinhos começam. Vodka, cerveja, whisky, tequila, steinhäger, vinho, pinga. No começo, não tinha experiência com o ramo, e o intuito da coisa era ficar bêbada mesmo. Ou melhor, alegre. Lógico que a qualidade dessas bebidas não dá nem pra discutir. Juntávamos os dinheirinhos de cada um, comprava um litro de alguma pinga capeta, e a alegria estava feita.

2 – Próximo teste: resistência

Mulher segurando duas garrafas

Créditos: Dawn Tolmie

O próximo item que aprendi na vida bebendo foi: teste de resistência. Você descobre que beber todas essas porcarias juntas, faz um mal danado. Sim, você vai passar mal, ter o primeiro porre, ter a horrível sensação do que é uma ressaca. Vai querer morrer no outro dia e jurar que nunca mais vai fazer isso. A promessa deve durar uns 5 dias.

3 – Todas têm seu limite

Depois de algum tempo nessas tentativas e descobertas dos limites do seu próprio corpo, você começa a ficar mais seletivo com as bebidas. Começa a descobrir quais gosta mais, e também, já troca a garrafa de pinga de R$5,00 por uma vodka máomeno. Mas essa fase é longa, e essa evolução chega aos poucos, com a melhoria das condições financeiras de adolescente falido… você não depende mais 100% da grana da mãe, e o dinheiro do estágio já dá pra comprar uma caixa de cerveja.

4 – Somos muito sociáveis

Em paralelo à essas descobertas, começam também a percepção das nossas capacidades sociais. Aliás, acho que essa é a melhor parte do aprendizado que a bebida pode trazer a vida. Você aprende como é fácil fazer amigos. Não importa se você é o tímido da turma, ou a tagarela. Sua capacidade de fazer amigos aumenta consideravelmente. Aliás, você fica amiga até daquela guria que tu nem curtia muito….

5 – Fazer amigos…

Outra coisa beeem legal que a bebida causa na vida: além de fazer novos amigos, você é capaz de fazer amigos estrangeiros. Afinal de contas, depois de algumas cervejas, você fica fluente em outras línguas. Mesmo que você não saiba muito… ahh você é capaz de falar um inglês e um espanhol perfeito… se duvidar até francês, alemão, russo. É incrível!

6 – Cante e dance

Indígenas dançando

Créditos: Steven Goethals

E caso as suas habilidades motoras não sejam das melhores e você odeie ou tenha vergonha de dançar… experimente fazer isso depois de algumas doses de tequila… Você vai deixar Carlinhos de Jesus no chinelo. (embora alguns vídeos gravados no celular descobertos recentemente possam colocar em controvérsia essa afirmação, mas isso é apenas um detalhe).

7 – E falando em celular…

Essa é importantíssima, todo mundo fala, mas ninguém aprende: fique longe do celular. Esconda, tranque, coloque uma senha que seus dedos sejam incapazes de desbloquear sob efeito do álcool: porque senão, no outro dia, SIM, você vai ver que fez merda, ligou pra quem não devia, mandou mensagem… E por mais que você fale que você só fez isso porque estava bêbado, ninguém vai acreditar. E sabe por que? Porque bêbado fala a verdade.

8 – Sinceridade é tudo

Aliás, depois desses anos, uma coisa que aprendi na vida bebendo foi que beber nos deixa mais sinceros. Sim, é nessa hora que você diz aquelas verdades às pessoas que você sempre quis dizer. E se você ama alguém, é também nessa hora que você resolve se declarar, mesmo que seja uma declaração de amizade. Lembro inclusive (vagamente, óbvio), que as vezes que falei aos meus amigos o quanto eu os amava e admirava, curiosamente, estávamos no bar.

9 – Comer muito bem

Aprendi também nesses mais de dez anos que bares são excelentes lugares pra muitas coisas além de beber: comer comidas gordas e boas, encontrar gente bacana, discutir ideias de negócios, integrar a galera, jogar sinuca por horas. Entretanto, se você ainda estuda, deixo um conselho: não frequente o bar (muito menos beba) antes da aula e principalmente, antes das suas provas, principalmente se forem provas de cálculo ou álgebra. Já testei e não funciona. Você não vai conseguir dar uma Chico Xavier e psicografar a prova.

10 – Que se foda o dinheiro

Mulher bebendo direto da garrafa

Créditos: xlordashx

Uma coisa  que a mulher aprende na vida bebendo também é não me apegar ao dinheiro. Enquanto estou sóbria, me preocupo demais com a contas a pagar, a grana que quero juntar. Mas é incrível como as preocupações somem depois de algumas garrafas de cerveja, e eu consigo inclusive ficar misteriosamente rica.

11 – Pronta pra vida

Outra lição de vida que aprendi na vida bebendo que acho importante ressaltar, e que alguns podem não concordar comigo, mas o álcool te prepara para a vida: você aprende a se virar e arranjar lugares pra dormir depois da bebedeira. É bem provável que você não consiga chegar em casa depois de uma noite regada às mais variadas experiências etílicas, e por isso, você precisa ativar seu senso de sobrevivência.

Finalizando

Eu ainda poderia passar horas aqui, dividindo com vocês todo esse aprendizado. Mas não quero me estender e ficar cansativa. Podemos sentar no bar qualquer dia desses, e falarmos um pouco mais sobre isso… Mas enquanto não fazemos isso, conta pra mim vai: O que é que você aprendeu bebendo?

The post 11 coisas que uma mulher aprende na vida bebendo appeared first on Papo de Bar.

Author: "Dona Cervejeira" Tags: "Ladies First, amizade, aprendi na vida b..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Tuesday, 22 Apr 2014 13:37

E aí meus queridos PdBs, que tal batermos alguns recordes cervejeiros esse ano!?

Acham que manjam das habilidades necessárias para quebrar algum dos recordes que eu vou postar aqui!? Tem garra o suficiente para defender e honrar o #EstiloPdB?

Em 2008 escrevemos sobre alguns recordes, será que eles ainda são os mesmos?

Maior coleção de cerveja

recordes cervejeiros

Desde 27 de janeiro de 2012 o recorde é de Ron Werner com 25.866 garrafas guardadas em sua casa na pequena cidade de Carnation, no estado de Washington (EUA). É um número bem expressivo, eu diria.

Se considerarmos que uma garrafa de cerveja, tem em média 600 mL, a coleção dele tem mais de 15 mil litros! ;)

Maior consumo médio por pessoa

recordes cervejeiros

Você sabia que a República Checa talvez seja o único lugar no mundo onde a cerveja pode ser mais barata que a água!? Assim sendo, fica mais fácil explicar que a incrível marca de 160,5 litros de cerveja por ano por habitante, é deles, de acordo com contagem feita em 2005. O Brasil está em 29º com o consumo de 55,7 litros/pessoa.

Cerveja com o maior teor alcoólico

recordes cervejeiros

Legal ter um recorde com uma cerveja chamada The End Of History, né!? A BrewDog conseguiu 55% de álcool em cada uma de suas garrafas. Em termos comparativos, é mais forte do que a grande maioria dos destilados comercializados normalmente. Quer saber mais? Clica Aqui!

Maior variedade de cervejas disponíveis

recordes cervejeiros

E o título é do Delirium Café, o lugar que todos deveriam visitar na Bélgica. Com 2.004 rótulos diferentes, é o estabelecimento comercial com o maior número de títulos disponíveis, contabilizados pelo Guinness em 9 de janeiro de 2004.

Maior número de canecos carregados

Sabe quando você avisa a galera que está indo pegar cerveja e todo mundo pede uma!? Já é bem complicado trazer um monte de latinhas né!? Imagina só trazer 21 canecos de 1 litro, e por um distância de 40 metros!?  Oliver Streumpfel fez isso, lá no festival cervejeiro de Gillamoos, em Abensberg, na Baviera (Alemanha), em 4 de setembro de 2010. É para aplaudir de pé, não é mesmo!?

Finalizando

E você meu fiel escudeiro? Qual história tem pra contar de façanhas que já fez pelo álcool? Lança aí nos comentários!

Lembrando, sempre que forem postar uma foto no Facebook ou Twitter que tenha a ver com o nosso estilo divertido e regado à boas bebidas, usem o #EstiloPdB ;)

Fonte: Guinness e Dois dedos de colarinho

The post 5 curiosos recordes cervejeiros appeared first on Papo de Bar.

Author: "Drunk McLovin" Tags: "Curiosidades, alemanha, brewdog, Cerveja..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Monday, 21 Apr 2014 16:47

Fala meus nobres. Estávamos sumidos com os vídeos do Musa do Boteco, não é verdade? Pedimos perdão e vamos continuar com as postagens. Dessa vez vamos mandar os vídeos que saíram nesse intervalo de não postagens, que tem inclusive um vídeo onde a Roberta bebe cachaça das brabas e quase não aguenta :)

Galinha manca

No oitavo episódio as meninas tiveram que comer a galinha manca, quer dizer, a pata da galinha.

The zuera never ends

Roberta e Betina, musas do boteco

No nono episódio elas apresentaram o que virá no décimo e no décimo primeiro episódio, onde uma escolherá o prato/bebida da outra, pra fechar a grande zuera entre elas :)

Caninha do Fodasse

A escolha que a Betina fez pra Roberta foi pesada, punk rock pra quem não bebe tanto como ela. Escolheu uma bela dose de Caninha da Roça pra ser “degustada” ferozmente. Confira:

Finalizando

E ae, o que acharam dos vídeos? Em breve teremos mais ;) Aproveita e vote na Camaleão no concurso que a Johnnie Walker fez, um vídeo bem fodástico de quem aproveita a vida.

The post Musa do Boteco: Novos vídeos appeared first on Papo de Bar.

Author: "Equipe PdB" Tags: "Musa do Boteco, Cachaça, caninha da ro..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Friday, 18 Apr 2014 20:33

Os pés sujos da vida são oásis da liberdade. Para quem é da classe média, um botecão imundo é um refugo dos conhecidos. Cerveja barata. Batata mais oleosa. Cigarros. É permitido fumar. Um buraco negro no meio de tanta civilidade. Para os que gostam de pose e instagram, pés sujos são asquerosos como Guantánamo. Desrespeitam as normas do bom senso. Para quem gosta de ser reservado, esses bares são recantos dos guerreiros. Pequenas igrejas do alcoolismo.

É como um bom álbum do REM. Você pode não reconhecer por ignorância, mas essa banda tem criações maravilhosas. Murmur é um exemplo. Um dos melhores CDs que tenho. Aqui não tocaria isso. Jamais. Aqui tá tocando um forró/brega/calypso. É do nicho. É do local. Aqui a brasilidade é mais aflorada. Longe da falsidade dos bares que viraram franquias. Um em cada bairro. Em cada shopping. É o fordismo do sanduíche de pernil. É a banalização das azeitonas. A elitização do torresmo. É o Rio Surreal.

Mulher bebendo sozinha, hmmm

Mulher bebendo sozinha num bar

Créditos: Frederic Poirot

Num ambiente tomado por homens, aquela senhora – que deve ter uns 35 anos, mas parece ter mais de quarenta – torna-se deusa. Uma musa. Ela tá ali, na dela. Sozinha. Um cigarro na ponta dos dedos. Um copo de cachaça. Um salgado pela metade no prato. Um a um os homens tentam cantá-la. Eles a chamam para dançar. Ela não quer. Cabelo pintado, bem preto. Pele enrugada pelo tabagismo. Uma barriga pendurada por cima da calça. Nada muito longe de mim ou de você, leitor.

Apesar da minha solidão ser uma ilha paradisíaca, ver uma mulher abandonada num balcão de boteco dói meu coração. Algumas pessoas doam sangue. Outras ajudam os famintos. Eu pago impostos e salvo donzelas de submundo. Dou o último gole na minha terceira garrafa de cerveja e aproximo meu corpo flácido perto dessa princesa de Hades.

  • - Não quero dançar! – sou alertado por ela
  • - Nem eu. – tento ganhar espaço e confiança – Prazer, Armando.
  • - Maria.

Só poderia ser Maria. Uma como tantas outras. Mãe de um dos maiores protagonistas da ficção mundial. Tanto significado para quem é tão pouco notada.

  • - O que aconteceu? – pergunto
  • - Como assim?!
  • - Pode falar. Isso aqui é um bar. É consultório. Bares servem pra isso.
  • - Meu marido me traiu. Não quero voltar para casa.
  • - Também vivo uma recém-separação. Conte-me sua história primeiro.

Blá, blá, blá…

Mulher falando no telefone com uma banana

Créditos: love,Loren

Maria desabafa um mundo em minhas orelhas. As contas. As filhas. A infelicidade. O trabalho. “Disapoint is into us absurd” – diria o REM em Radio Free Europe. Só que minha companhia não é de poesia. Talvez nem entenda inglês. Como pode ser a vida tão merda e ela tão forte. Sem uma lágrima no rosto, Maria fala de violência como lugar comum. Eu me mataria por menos. Confesso. Porém, não sou daqueles que valorizam a vida ou a existência. Maria sim. Ela é batalhadora.

Decidida a dormir na rua, Maria quer ter o sono mais profundo. Por isso bebe. Ela não tem medo de baratas ou ratos. Tem medo do que ela pode fazer com o marido. Uma mulher mal amada é um homicídio em potencial. Um homem mal amado é um suicida. Vide Os Sofrimentos do Jovem Werther. Maria trabalha amanhã e não tem onde ficar. Ela tem seis horas de sono e depois oito horas de trabalho. Só então ela vai para casa. O marido é policial e vai ficar no batalhão por 48 horas.

Divido a cachaça com Maria. Não almocei. Não jantei. É madrugada e meu corpo quer entregar a partida. Não vou conseguir dormir com a história dela na minha cabeça. Preciso livrar de mim esse peso.

  • - E se eu arranjasse um local pra você dormir, Maria?
  • - Não quero transar com você.
  • - Com todo respeito, Maria, mas nem eu com você. E olha que já comi piores.
  • - Onde você quer chegar?
  • - Eu pago um motel no Centro. Você dorme lá e amanhã vai ao trabalho. Na rua que você não vai dormir.

Partiu pro abate…

Casal abraçado

Créditos: Jakob Ebert

Maria não responde. Ela deve estar calculando o tipo de caráter que eu tenho. Se sou ou não um perigo. Se tenho ou não cara de maníaco. Então, o dono do bar se aproxima:

  • - Se quiserem, alugo um quartinho aqui no depósito e o casal pode passar a noite junto. Só que vocês ficarão trancados e só abro às sete da manhã.
  • - Quanto é? – pergunto
  • - 30 reais a pernoite. – ele fala rindo
  • - Mas é só pra ela.
  • - Só alugo pra casal.
  • - Topamos! – Maria diz para em seguida virar meio copo de cachaça – Cadê a chave?

O dono do bar entrega as chaves e Maria me leva para o andar de cima, no depósito, onde há um colchonete para solteiro. Ela imediatamente tranca a porta e começa a tirar a roupa. O corpo de Maria parece cansado. Honesto com sua história. Algumas cicatrizes.

  • - Calma, Maria. O combinado não é esse.
  • - Por mim. Por favor. Ninguém ficará sabendo. – eu permaneço calado, atônito – Não me desaponte.
  • - “Disapoint is into us absurd” – cantarolo.
  • - Oi?
  • - Nada.
  • - Então, Armando? Vai me decepcionar?

Para quem gosta de ser reservado, esses bares são recantos dos guerreiros.

The post Era uma vez o acabado – 4 appeared first on Papo de Bar.

Author: "Mé do Moya" Tags: "Contos Etílicos, bares, bebados, boteco..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Thursday, 17 Apr 2014 12:05

Salve salve amigos e companheiros de mesa de bar. Então que é chegada a época do ano em que a gordice alheia prevalece e mesmo sem querer somos praticamente inundados de publicidade de chocolate. Pois é, a Páscoa maltrata qualquer coração que tenta ser diet. Pior que toda a glicose da data só mesmo o alto preço dos chocolates.

Melhor um cupcake de chocolate do que um ovo de páscoa

Vi muita piadinha na internet comparando o custo do ovo de Páscoa com a barra de chocolate e como os fabricantes defendem os altos valores. Pra mostrar que o #EstiloPdB prevalece até nos momentos de maior crise financeira, eis que vos apresento minha maior receita de sucesso: Cupcake de chocolate com brigadeiro.

Para desespero do Dono do Bar e assegurar meu posto de DIVA, resolvi evoluir essa receita com umas doses extras de rum.

Ingredientes da massa do cupcake de chocolate com brigadeiro

  • 50 gramas de manteiga sem sal
  • 1 ¼ xícara de coco ralado sem açúcar
  • 6 ovos
  • ½ xícara de chocolate 70% de cacau em pó
  • 1/3 xícara de açúcar
  • 1 colher de sopa de fermento
  • 2 colheres de sopa de rum

Modo de fazer da massa do cupcake de chocolate com brigadeiro

Cupcake de Chocolate com rum

  1. Bata todos os ingredientes no liquidificador até obter uma massa homogênea;
  2. Tá pronto. Enche as forminhas em ¾ da capacidade e coloque no forno pré-aquecido em 180º por cerca de 15/20 minutos.

Ingredientes do brigadeiro de Nutela

  • 1 lata de leite condensado
  • 2 colheres de sopa de chocolate em pó, de preferencia o mesmo usado na massa
  • 1 colher de sopa de manteiga sem sal
  • 100 gramas de Nutela

Modo de fazer o brigadeiro de Nutela

  1. Junte todos os ingredientes numa panela grande (precisa ser grande pois costuma “explodir” quando fica quente) e eleve no fogo médio alto mexendo sempre até desgrudar da panela.
  2. Tá pronto! Você pode usar como recheio apenas ou fazer um buraco no meio do cupcake e ir preenchendo até o topo.

Você ainda pode incrementar ainda mais o cupcake de chocolate recheando com o brigadeiro de nutela e usando como cobertura uma ganache firme, que é muito fácil de fazer. Só seguir essa receita.

Finalizando

Já fiz dos dois modos e o trio massa de chocolate, brigadeiro de nutela e ganache é de enlouquecer qualquer chocólatra. Com isso, fica o recado: Tá sem grana pra comprar um presentinho pasqualino para aquele lance que você quer tanto evoluir para algo mais caliente?! Não perca tempo e faça essa receita já.

Aproveita que cada uma rende umas 12 unidades, dependendo da forma usada. Mais cafajeste impossível ;)

The post Cupcake de Chocolate com Brigadeiro de Nutela ao Rum appeared first on Papo de Bar.

Author: "Pipita Chef" Tags: "Gastronomia, cupcake, cupcake com rum, C..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Wednesday, 16 Apr 2014 11:31

Por incrível que possa parecer, a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou na última quarta-feira, dia 02 de abril, um projeto de lei para dar uma mãozinha às microcervejarias. O PL nº 2543/2013, prevê a redução do ICMS de 25% para 13% para a produção de 50.000 litros de chopes ou cervejas artesanais por mês. Fiquei me perguntando se isso é muito ou pouco… preferi achar que melhor assim do que nada.

Cervejas artesanais mais baratas, amém!

A proposta seguirá para sanção do governador – no caso, o vice, Luiz Fernando de Souza, o Pezão, que assumiu o posto recentemente, no lugar de Sérgio Cabral, mas isso é OUTRO assunto… Ele terá 15 dias para decidir o destino do projeto. Tenho certeza que não só nós da equipe PdB, mas todos os leitores estão de dedos cruzados!

Garrafas de cervejas artesanais

Créditos: joedellabella

A tramitação não apresentou nenhum empecilho. O projeto foi apresentado em 16 de outubro do ano passado, e teve pareceres favoráveis das comissões de Constituição e Justiça e de Economia, Indústria e Comércio. Entrou em regime de urgência na semana anterior a aprovação, e passou sem sustos. Infelizmente teve uma pequena emenda para corrigir o total de produção no ano, que estava em 3 milhões de litros.

Nota mental: droga…

Uma coisa interessante é que para a cerveja ser considerada artesanal, a cervejaria deve produzir não mais do que 6 milhões de litros por ano, e cujos produtos contenham no mínimo 80% de malte de cevada, trigo ou centeio, segundo o registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Não há dados confiáveis sobre a projeção de crescimento do setor, mas as justificativa do projeto tem diversos trechos que agradarão aos microcervejeiros e a nós, os consumidores!

Alguns destaques, pescados do blog Dois dedos de Colarinho

Copo e garrafa de cerveja artesanal

Créditos: nworbleahcim

“O mercado nacional de cerveja é dominado por praticamente três grandes empresas, que fizeram uso da fusão empresarial para se consolidarem no mercado como corporações praticamente imbatíveis. Porém, se por um lado as grandes indústrias dão prioridade ao volume produzido e seus lucros, ainda existem as chamadas cervejarias artesanais, que primam pelo sabor e a qualidade da bebida”.

“Alguns olham o setor de forma equivocada, achando que conceder benefícios fiscais significa incentivar a bebida alcoólica, um produto politicamente incorreto. Mas é importante frisar que as microcervejarias não estimulam a ingestão de quantidade, e sim de qualidade, fato similar com o que ocorre com a indústria do vinho. A cerveja artesanal é, em geral, mais cara que uma cerveja comum porque seus custos de produção são diferentes, o que cria uma barreira natural ao consumo em grande quantidade.”

“Ao contrário das grandes cervejarias, as microcervejarias têm sua produção artesanal, algumas com estrutura familiar, personalizadas, com a criação e desenvolvimento de estilos e receitas próprias”.

“Outra diferença é a variedade de sabores e tipos de bebida oferecidos pelas microcervejarias. Trata-se de produto único, que tem um público específico voltado à gastronomia, além de fomentar a economia e promover a geração de empregos, pois a relação pessoal empregado pelo volume de produção é muito superior nas microcervejarias”.

Finalizando

E vocês, o que acham sobre essa notícia sobre as cervejas artesanais ficarem mais baratas?

The post Cervejas artesanais cariocas podem ficar mais baratas! OREMOS! appeared first on Papo de Bar.

Author: "Tresdê" Tags: "Novidades, Alerj, cerveja artesanal, cer..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Tuesday, 15 Apr 2014 13:25

Alô alô, meu bando de jovens cervejeiros mais amados. Dando continuidade ao boom que se criou na semana passada, com o artigo sobre 8 cervejas que você deveria deixar de beber, o assunto continua ser a cerveja.

Só que dessa vez vamos focar nas cervejas nacionais e as que são feitas puramente de cereais maltados.

O que quer dizer “Puro Malte”?

Puro Malte

Cervejas consideradas puro malte, são produzidas sem nenhum adjunto de cereais não maltados (milho e arroz são os mais comuns). Aqui no Brasil é permitido o uso de cereais não maltados em até 45% do total dos ingredientes da cerveja. É um recurso utilizado para baratear a receita e também para deixar a cerveja com características de sabor mais atenuadas, e com a coloração mais clara.

Qual o problema da cerveja não ser “Puro Malte”?

puro malte

Não existe problema nenhum em uma cerveja não ser puro malte, o problema maior é que tipo de ingrediente ela usa além do malte e qual a quantidade.

Grande parte do milho utilizado no mundo é transgênico. Se faz mal ou não, é uma outra discussão. Mas ainda não existe nenhum estudo até hoje dizendo que não faz mal, assim como não existe nenhum estudo dizendo que faz bem.

Inclusive já fizeram testes em ratos de laboratório, e a conclusão foi que em um período maior que 3 meses de consumo do milho transgênico, tumores cancerígenos horrendos surgiram nas pobres cobaias.

Fonte: UOL

Sou bastante à favor das invenções e misturas de novos ingredientes em receitas de cerveja, como casca ou sumo de frutas, outros tipos de cereais, lúpulo dos mais variados tipos, entre outros. Mas milho e arroz aqui no Brasil, na maioria das vezes são utilizados para baratear o custo de produção da cerveja, e isso meus amigos, eu não curto não.

Cervejas nacionais “Puro Malte”

Para facilitar vou citar algumas cervejas produzidas em escalas maiores (mais fáceis de encontrar e com o custo mais baixo) que são feitas com cereais maltados:

  • Therezópolis Gold
  • Paulistânia
  • Heineken
  • Bavaria Premium
  • Cevada Pura

Finalizando

Quem sou eu para dizer qual cerveja você deve ou não beber, sou apenas mais um apreciados das coisas boas que a vida pode oferecer. E às vezes, por apenas um pouco mais, você pode beber uma cerveja mais saborosa e que faça muito menos mal (na minha opinião, cerveja moderadamente faz é bem) para a saúde.

Diga, qual dessas cervejas você já bebeu, e o que acha delas comparadas as outras?

Fontes: Diário Catarinense e PuroMalte.com.br

The post 5 cervejas puro malte que você deveria provar appeared first on Papo de Bar.

Author: "Drunk McLovin" Tags: "#EstiloPdB, Cerveja, 5 cervejas, arroz, ..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Monday, 14 Apr 2014 19:16

É domingo. Acordo com uma pequena dor de cabeça. Olho para o relógio que fica em cima do criado mudo. São 16:30h. Um copo de água gelada e um analgésico são as únicas coisas que vêem à minha cabeça.

Olho para as atualizações no meu celular. Existem 3 mensagens, todas me perguntando se eu estou bem. O pânico toma conta! Cadê a minha carteira? Cadê o meu celular? Seu animal, o celular tá na sua mão, penso eu. Volto para as mensagens:

  • “Tá tudo bem? Lembra de alguma coisa que aconteceu ontem?”
  • “Chegou bem em casa? Foi tudo bem?”
  • “Tá bem?”

Me dou conta que não lembro de nada do que aconteceu na noite passada. Sinto uma dor no cotovelo esquerdo. Ele está machucado. Provavelmente levei um tombo.

Foda-se!

A amnésia alcólica

Amnésia alcoólica pós bebedeira

Créditos: ben JT

Isso acontece até mesmo para os bebedores mais experientes. Além de uma ressaca acima da média, você acorda com um vago sentimento de mal-estar ea sensação de que as suas memórias da noite passada são muito mais escassas do que deveriam ser. Em um momento são 23:00h e você está gritando e dançando. No momento seguinte você está acordando no chão ao lado de sua cama, com lesões de origem indeterminada e um lobo frontal tentando se separar do resto da sua cabeça. Que diabos aconteceu?

Quando você encontra coragem de sair da cama, se depara com um sanduíche de queijo colado na parede e duas pizzas requentadas dentro do micro-ondas que não foram comidas. Seu celular contém mais de uma dezena de mensagens para pessoas que você sequer se lembra de ter entrado em contato na noite anterior. São ex namoradas, ficantes, amigos, amigas e até o seu chefe.

Nesse ponto, entre os danos causados à sua casa e à sua reputação, com os níveis de serotonina praticamente nulos, você se pergunta por que continua a fazer isso a si mesmo e promete que não voltará a beber.

Claro, esse seria um erro trágico.

A última coisa que alguém deve sentir vergonha na vida é a de ter tido uma amnésia alcóolica. Você estava tentando ficar bêbado na noite passada e, caramba, missão cumprida. Às vezes temos que fechar nossas mentes para os horrores do mundo. Não, em hipótese alguma, tente se explicar ou pedir desculpas a ninguém por suas ações. Além disso, nunca admita que não se lembra de nada. Eu já admiti várias vezes.

Mas quando admito as histórias do que eu fiz na noite anterior são sempre piores.

Algumas pessoas possuem o extraordinário poder de manter suas memórias intactas mesmo após uma bebedeira. Procure-as. Comece uma conversa casual. Comece a perguntar como foi a noite passada como se estivesse falando do clima. Depois junte as peças do quebra-cabeça e tente descobrir o que aconteceu. Pelo menos uma parte.

Quer umas dicas de como levar a conversa?

Mulher bêbada caindo

Créditos: saro di bartolo

  • Você: “Caramba, que noite, né? “
  • Potencial Testemunha: ” Sim. A galera bebeu demais”
  • V: “Ha ha , sim. . . que horas você saiu de lá? “
  • PT: “Eu saí com você , lembra? Eu não tive muita escolha depois de você ter levado um tombo com um copo de Pepsi na mão”
  • V: ” Ah sim! O tombo!. . . Tinha mais alguém com a gente nessa hora? “
  • PT: ” Não, não. A galera já tido ido embora. Porra, você não lembra de nada?”
  • V: ” Lembro. Não de tudo, mas lembro. Queria saber se você lembrava. “

Você já descobriu que levou um tombo, que quase nenhum amigo seu viu e que você não estava acompanhado no momento. Bingo!

A essência da amnésia alcoólica

Pessoas que não bebem em excesso nunca saberão como é espetacular fazer xixi contra um ventilador ou gritar algo para um policial e sair correndo feito um doido pela calçada.

O verdadeiro blackout é uma ruptura completa com as restrições da sociedade civil e os tabus sociais. Vá em frente e tire proveito da sua chance de fazer o que os outros imaginaram que estariam fazendo, com um puta sentimento de culpa só de pensar na hipótese.

Como sofrer uma amnésia alcoólica?

Não é muito dificil. Prepare-se para beber muito além dos seus limites. Beba muito mesmo! Mas se esse é o objetivo, não vá ao bar sozinho. A não ser que você seja um frequentador assíduo e tenha certeza que cuidarão de você.

Outra coisa: beba destilados de forma rápida. Beba de 3 em 3 shots. Beber rápido é amnésia na certa!

Quer tocar o foda-se mesmo?

Antes de partir para a bebedeira desenfreada, pense em besteiras que você gostaria de fazer. Imagine-se tomando o microfone do vocalista da banda caso eles toquem uma música que você gosta. Imagine-se cantando aquela garota mais gostosa do bar. Pense em falar aquelas verdades para a sua amiga do trabalho. Use a imaginação!

Agora prepare-se para se tornar uma lenda do bar. Coisas incríveis acontecerão. E quando você pensa sobre isso, não é o que realmente importa ?

Tente fazer com que a sua próxima amnésia alcólica valha todo o esforço para você tentar se lembrar.

O fim de semana perdido

galinha bebendo cerveja

Todo intervalo entre sexta a noite e domingo de manhã é sagrado. Sim! Estamos falando dos finais de semana. É nesse curto período de dias que os trabalhadores podem encontrar momentos de lazer e descanso, recuperando o fôlego para mais uma semana de trabalho que virá.

E esses são os melhores dias para beber até cair, afinal, geralmente não trabalhamos no dia seguinte.

E quanto a amnésia alcoólica?

“Se eu não lembro é como se não tivesse acontecido”, você dirá. Mas essa frase é legal quando um amigo (melhor ainda se vários) tá te contando alguma coisa engraçada que você fez. Quando você realmente não se lembra de nada e não tem ninguém para contar é como se aquelas noites sequer tivessem acontecido. Aí, não adianta olhar o extrato para saber quanto te custou a noitada. Terá te custado apenas uma ressaca inesquecível, e o seu final de semana sequer terá acontecido. Sim! Vai ser essa a sensação.

Então, convide sua turma de amigos, pense em várias coisas iradas para fazer e prepare-se para um porre inesquecível. Quer dizer, quase isso…

Tem histórias de blackouts e bebedeiras épicas? Compartilhe aqui com a gente! E se estiver planejando uma noite “daquelas”, me convide!

The post Como preparar uma amnésia alcoólica appeared first on Papo de Bar.

Author: "Drunk N' Roll" Tags: "Histórias, Amnésia alcoólica, bebedei..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Friday, 11 Apr 2014 11:17

Em 1999, convidado para um jantar em São Paulo, meu querido amigo, o empresário Lalo Zanini, não sabia que iria dar de cara com uma de suas paixões, um encontro que mudaria sua vida. Um amigo vindo de Portugal chegou na festa com uma garrafa de uma bebida estranha, com uma cor verde pulsante que chegava a inebriar com seu brilho translucido. Sim, era o que vocês estão pensando meus caros leitores, uma garrafa de absinto no Brasil. Porém, ninguém além do Lalo sabia o que era aquilo e toda a sua história.

A entrada do Absinto no Brasil

Apaixonado por bebidas, em especial por Absinto, Lalo enlouqueceu e contou pra festa inteira o que aquele líquido verde representava, toda a alegria da boemia francesa, das noites no Moulin Rouge, a época máxima do Absinto no início do século. Foi sucesso total, em dado momento a festa inteira só falava naquilo, e o melhor, todos queriam provar. Foi aí que o tino empresarial do meu amigo o abateu: se uma garrafa aqui é sucesso, por que não trazer aos montes ao Brasil?

Lalo, seguindo sua intuição, ao fim da festa na noite de domingo pediu a garrafa pro seu amigo. Na sgunda pela manhã conseguiu contato com a destilaria portuguesa, e na quarta-feira lá estava ele em reunião com o dono. Com uma proposta ousada, Lalo comprou meio container de absinto e trouxe algumas garrafas na sua bagagem.

Absinto no Brasil, agora vamos vender, certo?

Rappers segurando uma garrafa de absinto

Créditos: Robert Fielder

Na chegada procurou os orgãos públicos devidos e conseguiu liberação para comercialização no país. Em São Paulo, juntou a imprensa em um dos seus restaurantes e deitou a poética explicação que fez seus amigos se apaixonarem. A coletiva que ele imaginava render algumas colunas pequenas te trouxe mais de 12 capas de revista em menos de dois meses, todo mundo só falava e só queria provar Absinto, incluindo outros países da América Latina, pois os EUA mantinha a proibição há 80 anos, mas o Brasil havia liberado a comercialização.

E isso foi um estrondo no mundo inteiro, pois era a lenda renascendo das cinzas agora no país do futebol. A procura era tão intensa que o acordo que era de meio container por mês passou a ser de 8 containers, a produção se aqueceu e a empresa teve que se adequar, pois nem mesmo vendendo pra toda Europa as vendas eram tão grandes quanto as que Zanini fazia no Brasil.

Seu nome ficou conhecido nos quatro cantos do mundo, o site publicou uma nota considerando-o como o maior vendedor de Absinto no mundo. O empresário ainda abriu um restaurante em São Paulo com o nome L’Absinthe, o único no mundo especializado em Absinto.

Por que o Absinto no Brasil foi proibido?

As vendas iam de vento em popa quando de repente a bebida sofre mais uma dura rasteira. Eu conversei com o Lalo Zanini, que me contou tudo como aconteceu na época.

Garrafa e copo de Absinto flambado

Créditos: Josef Kopal

Em meados de 2001, me relatou Lalo, que um famoso programa de TV de uma grande rede, divulgou uma matéria sobre o Absinto ser ilegal no Brasil. E isso foi o bastante para o império ruir e o absinto cair outra vez. No dia seguinte à matéria, fiscais entraram nos restaurantes em todo Brasil apreendiam ou multavam todos que vendiam Absinto. Uma confusão, segundo o Lalo não havia motivos pra isso, o absinto tinha sido liberado e não havia proibição nenhuma. Mas mesmo sem nenhum respaldo, os fiscais faziam a apreensão.

O empresário foi até Brasília e procurou a secretaria da fazenda, emitiu outra via da sua liberação, procurou a rede de televisão, mas não conseguiu sucesso. O estrago nas vendas já tinha sido feito. O empresário tentou reverter a onda lançando o Absinto ICE, que teve uma ótima aceitação, porém, devido ao estrago feito pela tal emissora, apesar da venda avassaladora do Ice, Zanini resolver encerrar a empresa com receio de novas represálias movidas pela tal emissora e motivada por um inimigo oculto.

E o Absinto renasce das cinzas…

O que ninguém esperava é que em 2006 o EUA liberia o consumo e comercialização do Absinto. Isso bastou pra causar um efeito dominó, vários países da Europa, inclusive França e Suíça, seguiram o exemplo e liberaram também. A indústria voltou a pulsar, e então que vem a boa notícia, em entrevista exclusiva com o empresário Lalo Zanini ele me revelou ter sido procurado por várias empresas europeias que possuem interesse em trazer a bebida para o Brasil, país que outrora mostrou ser um grande consumidor da bebida.

Porém, Lalo disse que os tramites burocráticos para entrada e comercialização do produto aqui dificultam as coisas. Entretanto, o mesmo está em discussões para uma possível volta da bebida pro Brasil. Eu também, seu humilde colunista PdB, soube que o Brasil despertou o interesse de empresas como a Hapsburg, uma marca de Absinto londrino e de uma marca francesa visitada por Lalo no região da Provence, as conversas estão em andamento, porém a burocracia brasileira atrasa todo tipo de negociação.

Mas chega de tantos altos e baixos, vamos beber!!!

Taça de Absinto

Absinto pode ser servido de várias formas, com ou sem gelo, puro ou misturado, mas sem dúvida alguma o drink de absinto com o torrão de açúcar flambado é o que mais chama a atenção. O sabor é forte e possante. Eu espero que provem e gostem assim que tiverem oportunidade. E vamos torcer para que o absinto seja liberado logo e possamos desfrutar a nossa escolha.

Eu quero agradecer em especial ao meu amigo Lalo Zanini, que nos deu uma exclusiva contando toda história do Absinto no Brasil, inclusive seus planos para o futuro. Aguardem novidades.

Abraço e até a próxima.

The post O Absinto no Brasil appeared first on Papo de Bar.

Author: "Don Diego" Tags: "Histórias, absinto, bebidas fortes, fad..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Thursday, 10 Apr 2014 18:13

Há pouco mais de 2 meses foi inaugurada na rua Mourato Coelho, Vila Madalena (SP), o itinerante Tazza Wine Bar, que em italiano significa xícara – uma brincadeira com a palavra Taça. Itinerante, lá temos a incrível opção de escolher um ou mais vinhos na estação de vinhos WineStation.

E o que tem nessa Tazza Wine Bar?

Petiscos do Tazza Wine Bar

É possivel seguir o menu-degustação ou escolher os vinhos e harmonizá-los com as incríveis porções de deliciosos bolinhos e outros petiscos que a casa oferece. Achei muito gostosos os croquetes de presunto cru e os bolinhos de camarão, todos os dois servidos com um copinho de molho picante ao lado.

Jarra de água do Tazza Wine Bar

Não se preocupe porque a água, que é por conta da casa, é reposta em jarrinhas e copos americanos – um agrado de suma importância e que ajuda a degustar o próximo vinho.

Esse novo conceito de wine bar está muito valorizado no momento, sendo um verdadeiro deleite para os amantes de vinho e uma ótima opção para quem quer conhecer vinhos de forma descompromissada e divertida, os infográficos estampados nas paredes da casa reforçam a ideia. O público é composto de diferentes faixas etárias e a decoração descolada e arrumadinha da casa dá conta de atrair jovens, sendo em sua maioria mulheres, dos 30 a 40 anos, tendência que se repete no restante do mundo.

Quantos vinhos tem no Tazza Wine Bar?

Cartão do Tazza Wine Bar

É um barato entrar na casa, cadastrar seu cartão e iniciar o “tour du vin”- além dos 32 vinhos disponíveis nas 8 WineStation, existem mais 10 na carta. As chamadas “flights”, degustações temáticas por país/região – França, Piemonte, Novo Mundo ou mesmo as mais “experts” – Terroirs (vinhos de caráter) e Premium (vinhos tops). Opção pra se divertir não faltará!

A cada 4 meses a carta da casa muda, os vinhos da WineStation saem para dar lugar a mais outros 32 tipos, entre eles brancos, rosés, tintos leves ou mesmo encorpados. Não se preocupe, se você for lá pela segunda vez e quiser repetir algum vinho que já tenha gostado, é bem provável que seja um dos mais apreciados dos últimos 4 meses e ainda esteja disponível na carta. Tudo isso, só é possivel graças ao sistema californiano de serviço de vinho WineStation, que ainda preserva todas as características dos vinhos por até 60 dias, uma das formas mais seguras de preservação e serviço de vinhos encontrada no mercado.

Uma aposta etílica

Marcio, dono do Tazza Wine Bar

O Tazza Wine Bar é uma aposta do empreendedor Marcio Nery e seu time de excelentes profissionais, incluindo o sommelier português Tuga.

Em minha opinião tem tudo para dar certo! Eu curti muito, degustei vinhos de bom a maravilhosos, gastei por volta de 90 reais e saí feliz da vida! São 42 opções ao todo, mais 2 espumantes e vinhos de sobremesa como um bom fortificado moscatel de setúbal, um porto Tawny para bebericar sozinho ou acompanhando o tartalete de marzipã com chocolate da casa. Segue a lista de vinhos que me fizeram a cabeça e que você pode encontrar por lá. Bom divertimento e até a próxima!

1 – Gavi “Le Marne”

Garrafa do vinho Gavi

  • Origem: Gavi, Itália
  • Produtor: Michele Chiarlo
  • Uva: Cortese

2 – Les Angelotes de Villemaurine

Garrafa do vinho Les Angelots

  • Origem: Saint Emilion, França
  • Classificação: Saint Emilion Grand Cru
  • Produtor: Chateau Villemaurine
  • Uvas: Merlot Blend

3 – Marques de Tomares Reserva

Garrafa do vinho Marques de Tomares

  • Origem: Rioja, Espanha
  • Produtor: Marqués de Tomares
  • Uva: Tempranillo

4 – Ben Schiild Reserve

Garrafa de vinho

  • Origem: Barossa, Australia
  • Produtor: Schild State
  • Uva: 100% Shiraz

5 – Alterego Monferrato

Garrafa do vinho Alterego

  • Origem: Monferrato, Italia
  • Produtor: Luiggi Coppo
  • Uva: Barbera

The post Tazza Wine Bar: Novo conceito em SP appeared first on Papo de Bar.

Author: "Zé Bouchon" Tags: "Onde Beber?, onde beber, onde beber vinh..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Thursday, 10 Apr 2014 12:37

Salve salve amigos e companheiros de mesa de bar. Essa semana fiquei pensando nas receitas mundo a fora que postei e fiquei concluí: O mundo tem muita coisa boa, mas a comida da nossa casa é sempre a melhor. Fui além: Brasileiro adora carne, não é mesmo? E cachaça então?! Pode até ser que não beba com frequência, mas uma pinga de vez em quando ou até mesmo uma caipirinha sempre rola naquela churrascão de domingo com a família.

Carne + cachaça = Manta de porco

Isso simplesmente não saía da minha cabeça. Acho que mais pela saudades das fanfarras gastronômicas que aconteciam semanalmente na minha casa enquanto ainda morava no Rio. Fiquei saudosa e queria porquê queria matar minha saudade de pinga e de carne.

E como nada na vida acontece por acaso, essa semana tive aulas de cortes de carnes e preparos diferenciados. Eis que surge o plano de conquista do título “eu bebo sim e vou vivendo” em hidratar frutas secas com cachaça e fazer um belo recheio delas.

O passo a passo pode até parecer complicado, mas garanto que o resultado é um mix de MODAFOCA com ESSA PINGA É BOA.

Ingredientes da Manta de porco

Manta de Porco com Cachaça

  • 1,2 kg de lombo de porco fresco
  • Sal e pimenta
  • 1 limão
  • 200 ml azeite extravirgem
  • 2 cebolas médias em cubos pequenos
  • 1/2 maço manjericão picado finamente
  • 1/2 maço alecrim picado finamente
  • 1/2 maço tomilho picado finamente
  • 1/2 maço cheiro verde picado finamente
  • 200 g uva passa branca
  • 150 ml cachaça envelhecida
  • 200 g de farinha de milho em flocos
  • 50 ml óleo de canola
  • 200g bacon fatiado

Modo de fazer a Manta de porco

  1. Hidrate a passas: em uma tigela de vidro, coloque as passas com cachaça e a mesma quantidade de água. Deixe na geladeira de um dia para o outro. As frutas secas irão absorver todo o liquido e ficar com aquele gosto maroto da cachaça escolhida. Recomendo fortemente as envelhecidas por ter um gosto mais apurado que as branquinhas tradicionais. Cachaças setorizadas, principalmente, com mel também são uma ótima pedida.
  2. Corte o lombo com uma faca grande em paralelo à bancada, de forma que você vá abrindo como uma folha. Imagina um cilindro (que no caso é a carne) e você com a faca, cortando paralelamente de forma que esse cilindro vá se desfazendo e se transformando numa folha aberta. É muito interessante manter uma espessura fina.
  3. Em uma frigideira grande e de preferência já quente, coloque o azeite e a cebola em fogo baixo até a cebola ficar transparente. NOTA MENTAL: a cebola não fica douradinha, ok? É para ficar transparente apenas, levemente cozida.
  4. Adicione então a farinha flocada e mexa até absorver toda o liquido e virar quase que uma farofa. Uma vez misturado tudo, junte as ervas e passas hidratadas por uns 2 minutos até ficar ligeiramente bronzeada e adicione sal a gosto.
  5. O recheio é feito da seguinte forma: 2 folhas de papel filme como base. Coloque em cima as fatias de bacon, de preferencia seguindo a sequencia de corte conforme o bacon é fatiado na bandeja. (Imagino que você não vai fatiar uma peça de bacon né?) Cubra o bacon com uma folha de papel filme para que a parte mais bonita do bacon fique justamente para cima. Uma vez arrumadinha as fatias, vire de forma que a parte bonitona fique para baixo. Retire o papel filme e coloque o lombo aberto em cima.
  6. Coloque o recheio em pequena quantidade (o resto do recheio pode ser servido como acompanhamento do prato. É de matar) e com a ajuda do papel filme vá enrolando o lombo até formar novamente um cilindro. Amarre com barbante de forma espiralada e cruzada, amarrando bem as pontas para que o recheio não vaze.
  7. Agora vamos selar a carne usando uma frigideira grande e bem quente. A questão aqui não é cozinhar e sim apenas dourar cada lado da carne para que o liquido da carne não saia deixando tudo muito mais suculento. Basta 1 minuto em cada lado.
  8. Uma vez selada a carne, é hora de colocar no forno em temperatura de 200º por cerca de 25/30 minutos. Deixe descansando por uns 20 minutos antes de fatiar e sirva.

Finalização…

Manta de Porco com Cachaça

Mesmo sendo “prata da casa” essa receita de manta de porco recheado com cachaça tem um potencial “sou sinistro na cozinha” jamais revelado antes em nossas receitas, pois traz técnicas que poderão ser usadas em vários outros pratos e que quem sabe podem render o título de Pica das Galáxias ao longo do treinamento culinário que esta singela admiradora de mé tenta praticar.

Se seu objetivo é alcançar as profundezas das gostosuras etílico-gastronômica, sugiro então como mais um acompanhamento uma calda de alecrim com vinho do porto. Facilmente feito com as seguintes proporções:

  • 1 parte de vinho do porto
  • alecrim a gosto
  • 1 parte de água
  • ½ parte de açúcar

Coloque tudo no fogo baixo e espere reduzir. O resultado é uma calda agridoce que combina mais que um casamento com a carne de porco. É quase uma suruba de sabores na boca.

Curtiu? Faz aí e me conta se também foi bom para você! :*

The post Manta de porco recheado com cachaça appeared first on Papo de Bar.

Author: "Pipita Chef" Tags: "Gastronomia"
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Wednesday, 09 Apr 2014 18:07

Alô alô amigos PdBs! Curtem café? Conhecem a Starbucks? Hoje ela é a principal rede especializada em café no Brasil, quiçá no mundo! Mas nem só de café vive o ser humano e vinhos e cervejas, agora, são servidos nos cafés da marca nos E.U.A.

O serviço, lançado em Seattle em 2010, pode ser encontrado após às 16h. Além das bebidas alcoólicas, aperitivos também serão servidos. Macarrão com queijo e trufas, tâmaras com bacon e fondue de chocolate, por exemplo, estarão disponíveis como acompanhamento de um Chardonnay.

Tem cerveja e vinho na Starbucks agora

Os objetivos da novidade são simples: Aumentar o consumo de produtos não relacionados ao café e elevar o valor da franquia. Mas isso tudo será um processo longo e demorado! A ideia, que em 2014 está em 40 lojas, não será incorporada a todos os cafés da marca. Áreas urbanas, perto de teatros e próximo de outros restaurantes, onde as pessoas tem o hábito de sair à noite, serão as mais exploradas, já que são as que vingaram até hoje.

Taça de vinho e um copo da Starbucks

Créditos: Theodore Richard

Pensou na chegada disso no Brasil?! Eu também, mas … nem tão cedo! O fato é que os caras tem visão! Viram uma oportunidade de reinventar a marca e agregar valor a algo que já era bom! Outras novidades vêm sendo pensadas como fazer pedidos pelo smartphone.

Naturalmente essa visão não veio do nada! A Starbucks começou a ter a concorrência do Mc Donald’s na venda de cafés de qualidade, por exemplo. O preço elevado de seus produtos em determinado momento também incentivou seus consumidores a tomar café em casa. Agora com esse novo público a marca, que tem mais de 20 mil lojas espalhadas pelo mundo (só nos E.U.A. são 11 mil), espera se consolidar de vez e ter seu faturamento só na crescente, algo que não acontece desde 2008.

Finalizando

Curto muito a Starbucks e achei a sacada deles genial, oferecendo mais um serviço sofisticado e prático por aí! Mesmo achando que irá demorar, torço para que chegue logo ao Brasil.

Aquele abraço!

Vimos na Exame

The post Starbucks se rende ao álcool e incorpora cerveja e vinho ao seu cardápio appeared first on Papo de Bar.

Author: "Sonâmbulo Etílico" Tags: "Novidades"
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Wednesday, 09 Apr 2014 12:07

Parodiando a Rita Lee, esse texto apenas tem o intuito de fazer algumas reflexões entre bebidas e amor e sexo. Antes de tudo, isto não é um manual, cartilha ou qualquer tipo de instruções a serem seguidas. São apenas algumas observações. O importante é levar em consideração que uma boa bebida, assim como o amor e o sexo, podem ser desfrutados a qualquer hora, desde que se tenha vontade.

Amor é cerveja, cerveja é amor S2

Coração no colarinho da cerveja

É campeãaaaa!!

Comecemos pela cerveja, meu amor número um. E por isso digo: cerveja é amor. Cerveja é como namorado sabe? Tá ali, pra te dar conforto nas horas que você precisa, te dar alegria constante e prazer instantâneo ao primeiro gole. Os encontros também são mais frequentes… uma cerveja no almoço, ou no final da tarde.. e muita cerveja nos finais de semana… pra aproveitar bem.

Mas a tequila… Essa é puro sexo…

Tequila é sexo. Aquele sexo cheio de fogo, tesão. Tequila é mais inesperada, e quando chega, arrebata. Tequila te faz cometer loucuras. Tequila tira o seu chão. E provável que no outro dia você olhe e pense: “Meu deus, o que é que eu fiz”. Mas não se abale. Levante-se, e recupere-se. Provável que não será a última vez que isso te acontecerá.

Whisky é amor

Mulher deitada com uma copo de whisky mostrando amor e sexo

Alguns podem pensar ao contrário, porque costumam consumir a bebida misturada a energéticos e refrigerantes, buscando um efeito parecido com o da tequila. Jovenzinhos. Mas o whisky é um amor mais maduro sabe? Forte, amargo… um amor para se apreciar, e sentir seu gosto e perfume amadeirado, que fica… Já dizia Vinícius… “-Whisky é o melhor amigo do homem é o cachorro engarrafado”. E se é amigo, é amor.

Vinho é sexo

Um bom vinho tinho (os cabernet sauvignon são meus preferidos), trazem um toque de sensualidade inexplicável. Uma coisa meio “don juanesca” de ser. Não consigo pensar numa taça de vinho sem pensar num clima deliciosamente envolvente, acompanhado de uma bela lingerie preta e aquela luz baixinha… uma música suave tocando… e aí, vocês já sabem o que acontece…

Cachaça é amor

Mão segurando cachaça

Um brinde

Aqueles amores bem simples sabe? Mas que tem um coração enorme. A cachaça é uma boa companheira. No interior, é costume misturar a cachaça com algumas frutas, e torna-las com um sabor único. Todo mundo tem uma garrafa de cachaça em casa. É bom tê-la sempre por perto.

Vodka é sexo

É quente, desce queimando. Te esquenta inteira. Traz conforto e calor pra hora. Te acalenta, te tem nos braços enlouquecidamente. Mas apenas naquele momento. Afinal, depois de uma noite inteira de vodka, você nem vai querer mais saber dela pelos próximos dias. São apenas momentos.

Finalizando, vamos fazer amor e sexo

Mas como falei… para bebidas, amor e sexo, não existem regras. Existem sensações, preferências, momentos, disponibilidades. O importante é desfrutar o melhor deles, sempre. Afinal de contas, os três são capazes de proporcionar experiências únicas e memoráveis.

Portanto, jamais despreze uma boa cerveja, um bom vinho, uma tequila fora do planejado, ou um whisky de qualidade. Aproveite aquela cachaça simples, ou aquela vodca que você nem estava esperando. E o mais importante: jamais despreze a oportunidade para um bom sexo, ou um bom amor!

E pra você, quais bebidas significam amor e quais significam sexo?

The post Amor é cerveja, sexo é tequila. appeared first on Papo de Bar.

Author: "Dona Cervejeira" Tags: "Ladies First, #EstiloPdB, amor e sexo, B..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Tuesday, 08 Apr 2014 12:00

Mais uma terça, bando de incautos sebosos bebedores do amado néctar dos deuses. Recentemente li um artigo em um blog gringo, falando de 8 cervejas que você deveria deixar de beber por causa de seus ingredientes e o Cervisia Maniac já comentou que muitas cervejas são feitas com milho.

Então, sem lenga lenga, vamos aos fatos:

Ingredientes Malignos

Nesses tempos modernos, muitos alimentos são regulados por órgãos e são constantemente colocados em várias listas negras da galera saudável.

E infelizmente no ramo das bebidas, pouco é feito nesse sentido, e tendo álcool a gente manda pra dentro. Se liguem nos ingredientes que constam em algumas cervejas:

  • Xarope de milho transgênico
  • Milho transgênico
  • Xarope de milho de alto teor de frutose
  • Bexiga de peixe
  • Propilenoglicol
  • Glutamato monossódico
  • Açucares transgênicos
  • Corantes obtidos em insetos
  • Carragenina
  • BPA

Cervejas que você poderia deixar de beber

E essas são as cervejas populares que usam alguns desses ingredientes

NewCastle Brown Ale

Cervejas que você poderia deixar de beber

A cerveja Newcastle contém corante caramelo. As classes 3 e 4 do corante caramelo são feitas a partir de amônia, que é classificado como uma substância cancerígena.

Budweiser (e outras cervejas que usam milho transgênico)

Cervejas que você poderia deixar de beber

A Bud contém milho transgênico na sua composição. Estudos ainda são feitos para definir o que a ingestão prolongada desse ingrediente pode causar no corpo.

Corona Exra

Cervejas que você poderia deixar de beber

Usa xarope de milho transgênico e propilenoglicol, que é uma substância controversa, acusada de fazer mal a saúde.

Miller Lite

Cervejas que você poderia deixar de beber

Muito comum nos Estados Unidos, tem milho e xarope transgênicos.

Michelob Ultra

Cervejas que você poderia deixar de beber

Usa dextrose transgênica para adoçar a sua fórmula.

Guinness

Cervejas que você poderia deixar de beber

A cerveja Guinness é uma cerveja muito querida de muitos cervejeiros, tem bexiga de peixe e xarope de milho de alto teor de frutose na sua composição.

Coors Light

Cervejas que você poderia deixar de beber

Xarope de milho transgênico

Pabst Blue Ribbon

Cervejas que você poderia deixar de beber

Milho e xarope de milho transgênico

Finalizando

Uma grande força no país, são as cervejarias artesanais e as cervejas feitas apenas com cereais maltados, lúpulo, água e leveduras.

O mercado anda em franca expansão, e se você se preocupa tanto com o que você bebe, como o que você come, talvez seja um bom momento de analisar os ingredientes e fazer uma nova opção na hora de escolher sua cerveja.

E você, o que acha sobre os ingredientes dessas cervejas?

Fontes: OutrasPalavras e Banoosh

The post 8 Cervejas que você poderia deixar de beber appeared first on Papo de Bar.

Author: "Drunk McLovin" Tags: "Cerveja, Curiosidades, zDestaque, arroz,..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Monday, 07 Apr 2014 18:30

A Consul lançou, recentemente, um produto super bacana para aqueles que curtem tomar uma com os amigos em casa: a Cervejeira Consul Mais. O PdB foi conferir o lançamento!

E o que seria essa Cervejeira Consul Mais?

A Cervejeira Consul Mais chega ao mercado na segunda quinzena de abril. Pode armazenar até 75 latinhas de 350ml, mas como tem prateleiras removíveis, você também consegue armazenar garrafas grandes e do tipo long neck, e até barris de 5 litros. É agora que sua casa vira um bar mesmo!

Regulando temperatura na Cervejeira Consul Mais

Ela tem um controle eletrônico com cinco níveis de temperatura, que variam de 4°C a -4ºC. Particularmente, não curti o fato da temperatura máxima ser de apenas 4°C, pois muitas cervejas (largers escuras, stouts e porters, por exemplo, além de muitos outros estilos) devem ser consumidas em uma temperatura maior.

Pensamento na cerveja muito gelada

O fato é que a marca assumiu um posicionamento dirigido para o público que gosta da sua cerveja “estupidamente gelada”. Por esse ângulo, é um bom produto, pois a evita que a cerveja congele, como acontece muito ao ser colocada e esquecida nos freezers convencionais.

Agora, para o público que gosta de degustar diferentes tipos de cerveja, não é um produto interessante, pois essa variação de temperatura não ajuda muito.

Frontal da Cervejeira Consul Mais

A Cervejeira Consul Mais está disponível nas cores vermelha, amarela e titanium. O preço sugerido é de R$ 1.999,00.

Finalizando

O que você achou? Compraria uma dessas? Te incomoda não ter uma variação de temperatura maior ou você prefere mesmo uma cerveja estupidamente gelada?

Veja o site oficial da Cervejeira Consul Mais.

The post Cervejeira Consul Mais: Um bar na sua casa appeared first on Papo de Bar.

Author: "Cosmopolitan Girl" Tags: "Eventos, cerveja estupidamente gelada, C..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Monday, 07 Apr 2014 12:07

Se você está lendo o PdB eu já posso chamá-lo de irmão de álcool. Isso. Irmão. Assim como fazem os crentes. É crente aquele que crê em alguma coisa. E por que os cristãos chamam uns aos outros de irmão? Simples: são irmãos em Cristo. Chamam-se de irmãos porque creem na mesma coisa. Acho muito legal!

E vocês do PdB? Acreditam em que?

Acreditamos em uma vida onde um pouco de bebidas não faz mal a ninguém. Mas eu, por exemplo, creio em Deus e tenho a minha fé. Infelizmente para nós, que assumimos gostar de beber, as religiões de um modo geral não são tão tolerantes.

Por esse motivo, convoco todos vocês. Vamos defender aquilo que acreditamos. Vamos espalhar a nossa verdade. Temos muitos inimigos. A melhor maneira de fazer discípulos é dissipar quaisquer equívocos que possam ter sobre a nossa fé. Tais como…

“O álcool não faz a vida melhor.”

Homem triste bebendo sozinho

Tá fazendo errado!

Créditos: Gaetano Cessati

O álcool é um medicamento de cura, mas, a fim de beneficiar-se dele você tem que deixá-lo te curar. Há uma expressão que eu particularmente aprecio: “Hoje vou afogar as minhas mágoas.”. Mas você, caro leitor, sabe o real sentido dessa expressão? Qualquer homem que já chorou diante de um copo de cerveja não estava apreciando o que estava diante dele: a cerveja! Ele estava perdendo uma oportunidade de esquecer seus problemas e e de experimentar um estado de euforia.

Se você ainda não tem um ritual de cura , gostaria de compartilhar o meu com você: tome um copo de algo que você gosta (eu prefiro Jägermeister) e visualize que seus problemas são cobras no chão. Vá tomando seus shots e perceba que, depois de cada um deles, as as serpentes estão desaparecendo. Se você se concentrar o bastante, conseguirá até visualizar esses bichos peçonhentos rastejando por debaixo da porta. Continue a beber até que todas as serpentes tenham desaparecido.

Se você ainda não acredita que o álcool faz a vida melhor, eu vou provar isso para você cientificamente com um experimento simples. Limpe a sua casa, quarto por quarto (se você não mora em uma casa com quartos, o PdB vai fornecer o meu endereço e você pode vir limpar a minha). Depois lave a cozinha, o banheiro e etc. Quando você terminar a faxina, comente aqui no final deste texto o quão divertida foi esta experiência. Mas, na próxima vez que a sua casa estiver suja, faça o mesmo, só que desta vez acompanhado de algumas garrafas de cerveja. É divertido! É gratificante! Se ainda assim você não achar divertido, pelo menos não estará sóbrio! A vida é melhor.

“O álcool destrói famílias.”

Casal feliz bebendo álcool e vivendo juntos

Créditos: Kirill Kedrinski

Acho complexo dizer que o álcool destrói famílias. Já escrevi aqui mesmo no PdB um texto que falava de uma pesquisa que diz que casal que não bebe junto não permanece junto. Se uma família se desfaz , a culpa é geralmente do abstêmio.

Considere este cenário: um marido bebe. A esposa (uma abstêmia) fica chateada com o marido. É o não- bebedor sentindo má vontade para com o bebedor que está criando a dissensão. É a mulher sóbria que está no caminho de animosidade que certamente irá levar a uma ruptura da família. Se ela resolvesse relaxar e tomasse uma cerveja com o marido, haveria perfeita harmonia. E mais: seria mais uma pessoa na casa disposta a ir ao mercado comprar algumas geladas.

“Beber é um pecado.”

Jesus bebendo vinho

Milagre?

Créditos: Raul Poveda

Qualquer um que diz que beber não é bíblico, nunca realmente leu a sua Bíblia. O primeiro milagre de Jesus Cristo foi a criação de grandes quantidades de álcool para os que tinham sede. Jesus transformou grandes quantidade de água em vinho. Alguns religiosos dizem que este “vinho” era simplesmente suco de uva. Leia com atenção! Em João 2:1-11, você vai notar que as propriedades intoxicantes do vinho são reconhecidas.

Paulo disse , em Timóteo 5:23

“Não beba água por mais tempo, mas use um pouco de vinho por causa do teu estômago e das tuas freqüentes enfermidades.”

Isaías comparou cerveja a prata. Para finalizar, a minha escritura favorita é Provérbios 31:7:

“Que beba, e esqueça da sua pobreza, e da sua miséria não se lembre mais.”

“O álcool não é saudável.”

Copo de cerveja com fita métrica

Créditos: Speed-Light

Bem, algumas pessoas simplesmente têm a bunda acima de suas cabeças e precisam de um bom soco nos dentes. É verdade, ninguém gosta de vomitar no banheiro ou ter insuficiência hepática, é por isso que é importante encontrar um meio termo. Encontrar o meio termo é parte da diversão de beber.

Experimente! Beber seis doses de vodka e seis cervejas em uma noite fizeram você vomitar e te deram uma ressaca épica? Dá próxima vez diminua a quantidade de cerveja ou de vodka. Não funcionou? Para de misturar. Beba só a vodka ou só a cerveja. Não tá bom ainda? Troque a vodka pela tequila e diminua de 6 para 5 doses. Uma hora você encontrará o equilibrio. Você conseguirá curtir a noite sem passar mal.

Conclusão

O álcool traz à tona o melhor de cada um. O álcool pode fazer um homem fraco poderoso . Eu vi o menor dos homens enfrentar seus maiores inimigos com algumas doses de tequila. O álcool traz o amor. Quando eu bebo, abraço meus amigos e digo que os amo. Sóbrio raramente faço isso. E vamos aos fatos: até as mulheres mais feias do bar recebem grandes doses de amor quando há muita bebida envolvida.

Então, espalhe o amor, mantenha a fé, e passe a garrafa.

The post Vivendo melhor através do álcool appeared first on Papo de Bar.

Author: "Drunk N' Roll" Tags: "#EstiloPdB, alcool, bebedeiras, beber é..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Friday, 04 Apr 2014 18:30

Guarde suas tampinhas de um jeito #EstiloPdB com o Beer Cap Collector Shadow Box. Você, como um assíduo leitor do PdB, lembra de quando nós contamos como surgiu as famosas tampinhas de garrafas né?

Mas o que fazer com elas depois que você saboreou suas deliciosas cervejas? Não, não jogue-as fora, caro padawan! Nem guarde naquela caixa de papelão onde ninguém vai ver!

Guarde no Beer Cap Collector Shadow Box

Craft Beer Round é uma empresa que vende várias coisinhas legais relacionadas ao mundo cervejeiro. Seja camisetas, gadgets, bonés, dentre outros brindes que todo amante de cerveja gosta e compraria.

Recentemente, eles lançaram um produto para quem adora colecionar tampinhas: o Beer Cap Collector Shadow Box. É um quadro projetado para guarda-las de maneira muito estilosa e fácil: é só colocar a tampinha na parte superior da moldura que seu quadro vai se formando, tampinha a tampinha, ou seja, quando mais cerveja, mais rápido seu quadro fica pronto!

Por US$ 60,00 obamas você pode escolher entre duas versões:

Quadro tulipa do Beer Cap Collector Shadow Box

Quadro Good times, Good beers do Beer Cap Collector Shadow Box

Entrada das tampinhas do Beer Cap Collector Shadow Box

Ou, por mais 15 obamas você pode customizar a imagem central do quadro, deixando ainda mais #EstiloPdB, mais a sua cara, da sua casa, do seu estilo. Muito legal a ideia, né? Vamos encomendar algumas aqui pro escritório do Papo de Bar e personaliza-las :)

Um dia é ver com os amigos se eles querem comprar algo também, pois o frete para o Brasil sai a mais de 70 doláres, ou seja, mais caro que o próprio produto. De repente comprando com uma galera outros gadgets, produtos, possa valer a pena. Ou então peça pro seu camarada que está indo pros EUA trazer pra você ;)

Finalizando

E aí, gostou? Compraria algum? O que achou do preço? E da ideia, o que achou? E o que você faz com suas tampinhas? Joga fora ou as coleciona?

Conta pra gente!

The post Beer Cap Collector Shadow Box appeared first on Papo de Bar.

Author: "Cosmopolitan Girl" Tags: "#EstiloPdB, decoração, decoração et..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Friday, 04 Apr 2014 11:37

Anna, minha mais atual ex-namorada, teve todas as razões do mundo para terminar comigo. Não posso me fazer de vítima. Se sofro pela perda, é porque cavei por esse momento. Cavei meu próprio túmulo. É o ônus de ser uma pessoa ruim. O único prejuízo: a solidão. De resto, eu sou casca-grossa. Maldito por ideologia. Por defesa.

Quando ela terminou comigo, nem pude voltar para casa em que morávamos em Santa Teresa. Era o nosso lar. Lindo. Colorido por ela. Flores. Muito álcool. Sempre em festa. Uma pequena Woodstock sem pretensões. A música ficava por minha conta. Uma vasta coleção de CDs. Sim. Eu compro CDs. Gosto de tê-los. São como livros, quadros e porta-retratos. Tudo feito para se ostentar. Encher a sala e mostrar aos amigos.

Se livrar do Moya…

Chegaram as caixas com meus pertences. Anna queria tanto se livrar de mim que ela mesmo pagou o frete. Já achei quase tudo. Meus óculos escuros. Minhas camisetas pretas. Calças jeans. Meias. Sapatênis. E os CDs. Quase tudo aqui. Sinto falta da coletânea do The Animals. Uma dessas coletâneas baratas, que ficam abandonadas entre outros CDs em promoção, como Art Popular, Eliana, Daniel e outros. Ainda assim, é uma coletânea do The Animals.

Talvez isso seja um sinal para voltar. Pedir desculpas pelo que fiz. Vou fazer isso. Bato na casa dela e mostro todo o arrependimento. Saio dessa faceta escrota e mostro um lado sensível. É difícil pra caralho fazer isso, mas é necessário. Desde pequeno me foi ensinado que homem não quebra. Ser cabeça-dura é questão de orgulho. Tem horas que sou assim. Tem horas que o bom senso bate e me obriga a assumir o erro.

Errei, eu sei

Homem triste

Créditos: Frits de Beer

Anna tem toda a razão do mundo. O que eu fiz não interessa saber agora, querido leitor. Outro dia eu conto. Outro conto. Basta saber que errei. O sentimento de culpa e o arrependimento não deveriam ser as punições do Homem? Existe penitência maior que se sentir um merda? Com a solidão eu sei lidar. Essa sempre esteve comigo. O derrotismo não. Será que estou fadado a magoar as pessoas? Provavelmente sim. Ou é isso, ou abaixo a guarda.

Voltar a morar com a mãe é legal por um lado, mas uma porcaria por tantos outros motivos. Adoro minha mãe, mas ficar aqui é abrir mão de certas liberdades. Se eu quiser comprar um filme pornô na televisão. Se eu quiser trazer uma mulher para casa. Se eu quiser beber antes do almoço. Se eu quiser chamar os amigos. Colocar o som no máximo. Não posso.

“There is a house in New Orleans, they call The Rising Sun, it’s been a ruin of many a poor boys and god I know I am one”.

O mais triste é reencontrar coisas de anos atrás. Os ternos que não servem mais. As camisetas com estampas. Os sapatos pretos. As sungas. Eu saí daqui pra me tornar o homem que sou hoje. Voltei como soldado que bate em retirada, que recua. Voltei vencido. Derrotado. Esses CDs aqui não me negam. Esse quarto não tem espaço para tudo o que tenho. Antes, Anna deixava a sala para expor minhas conquistas culturais. Uma sala com meus livros, CDs, as fotos… Tudo isso se misturava com os vasos de flores, as cores vivas, a luz negra e as frases que Anna escrevia nos espelhos. Lá era tudo perfeito. Aqui não cabe. Cresci demais para não ficar numa suíte. Cresci demais para ficar na asa da minha mãe.

Amadurecimento traz aprendizado

Homem sentado na mesa com uma boneca

Créditos: Frits de Beer

Não é só uma questão de amadurecimento. É uma questão de aprendizado. Agora eu sei lavar a roupa em máquina de lavar. Não preciso mais desse cesto. Aprendi a fazer a minha comida e fazer minhas compras. Essa geladeira não me serve tanto assim. Perdi as verduras da feira da Lapa. Perdi as manhãs de chorinho do Lavradio. Perdi os bares com os artistas de Santa Teresa. Voltei pra Botafogo – que é o bairro que mais amo, leitor -, mas é como um órfão que perde a guarda e precisa reativar as esperanças no orfanato.

Botafogo sempre foi meu time de coração e meu bairro favorito. Aqui eu não preciso de carro. Não preciso de ônibus. Tenho tudo ao alcance dos meus pés. Só que retornar é retroceder. Involução. Antes eu era homem, com minhas contas para pagar. Agora sou hóspede, criança.

Leitor, se você viveu isso, você sabe do que estou falando…

Mais do que pedir desculpas, eu preciso de um plano de reconquista. Esse orgulho machista fere mais do que cura. Vou subir Santa Teresa com flores, duas garrafas de um ótimo vinho, macarrão fresco (fresco mesmo, não esses de supermercado) e faço um molho pesto. Simples e leve. Nada que pese a barriga e deixe-nos empanturrados. Sexo de reconciliação sempre foi o melhor gozo. Sempre será. Todo casal tem que experimentar isso. Talvez, de sobremesa, um brownie feito por mim, com nozes e um bela bola de sorvete. Para recuperar as energias.

Essa última caixa de papelão deve ter a minha calça jeans favorita. É uma que a Anna me deu e adora. Nem é de marca famosa, mas é ótima. Caimento certo pra mim. Bainha perfeita. Se tem uma coisa que Anna me ensinou é a me vestir bem. Ela fez moda e entende dessas coisas. O básico é suficiente para não cairmos no erro. Nunca será cafona. Nunca será brega. O básico é atemporal e não sai de moda. Anna é minha Coco Chanel. É brilhante e realista.

Pois bem… A vida é uma caixinha de surpresas infelizes.

Casal falando no ouvido

Créditos: jano vera

Adivinha o que estava embaixo da minha calça jeans favorita, leitor? O CD do The Animals. Se eu conheço a minha ex-namorada, isso foi um recado para eu não tentar voltar para casa. “Oh, Lord, please don’t let me be misunderstood”. Ela não vacila. Colocar esse CD junto com essa caixa. Eu não estou viajando. Conheço a Anna como conheço a mim mesmo. O álbum poderia estar junto com todo os outros, nas duas caixas que só tinham isso. A calça jeans poderia estar junto com as caixas de roupa. Não. Ela colocou minha melhor calça e o The Animals junto com as quinquilharias, ao lado da minha sandália com a bandeira do Uruguai e meu abajur quebrado.

Sei que não existe sistema de referência absoluto, mas mesmo no absurdo do acaso dela ter colocado esses dois itens juntos sem querer, Anna não esqueceu de colocar um coisa sequer nas caixas. Tudo o que é meu está aqui comigo, na casa da minha mãe. Se isso não for um “adeus”…

E eu que era uma alma com boas intenções, agora sou uma vida a ser gasta em pecados e apostas. O destino é o fim.

The post Era uma vez o acabado – 3 appeared first on Papo de Bar.

Author: "Mé do Moya" Tags: "Contos Etílicos, bebados, ex-namorada, ..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Thursday, 03 Apr 2014 18:25

Olá PdBs! Navegando pela internet, me deparei com a seguinte notícia: “Bares cariocas usam ‘efeito colarinho’ para servir menos cerveja que o prometido”. Trata-se de uma matéria sobre uma pesquisa realizada pelo site Proteste, na qual o resultado mostra que o chopp servido não equivale ao anunciado no cardápio. O resultado negativo se deu em 29 dos 30 bares visitados, onde foram analisados diferentes tipos de copos, como: Garotinho, tulipa, caldereta, caneca e canecões.

Vejam os piores resultados para alguns tipos de chopp:

  • Garotinho: Hipódromo, na Gávea, onde apenas 144 ml dos 216 ml prometidos foram servidos.
  • Tulipa: Famoso por suas empadas, o Belmonte promete 300 ml e entrega apenas 200ml.
  • Caldereta: Na Pizzaria Guanabara, ao invés de 400 ml, 295 ml de chopp vem à mesa.
  • Já nos canecões o Revolution Bar serve 100 ml a menos que os 510 ml anunciados.

No Brasil não há regulamentação sobre o assunto e por isso os bares “podem” servir dessa maneira. Mas teve um bar que mandou muito bem e entregou até um pouco a mais do que consta no cardápio. No Reza Forte, a caneca veio com 310 ml onde era para ter 300 ml e o bar possui canecas com a marcação indicando a quantidade de líquido.

Linha limite do colarinho do chopp

Botando chopp com colarinho

Créditos: Luciano Meirelles

Na Europa é comum esse tipo de copos com indicação de onde termina o chopp e começa o colarinho. Há alguns anos, o uso do copo com as medidas demarcadas, virou lei. Por aqui, infelizmente, isso deve demorar a chegar.

Nunca tinha pensado sobre isso e não via problema algum na questão. Para mim o colarinho fazia parte do chopp e sendo opcional, até preferia “perder” um pouco de chopp desde que tivesse um bonito colarinho por cima do líquido. Achava justo! Mas depois de ler a reportagem, penso que realmente deveria haver uma regulamentação sobre o assunto, já que assim os consumidores estariam sempre pagando pelo que estão bebendo.

Já tinham se ligado nisso? Pensemos então! Aquele abraço!

Fonte: O Globo

The post O colarinho da discórdia appeared first on Papo de Bar.

Author: "Sonâmbulo Etílico" Tags: "Curiosidades, bares, caldereta, caneca, ..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Date: Thursday, 03 Apr 2014 13:01

Salve salve amigos e companheiros de mesa de bar. Depois de já cozinhar com vinho tinto e branco, cerveja, whisky e até Contreau, estava carente ainda de uma peça chave para essa humilde escrava dos bons de garfo. Faltava a Tequila abrilhantar qualquer prato. Mas nada da combinação com sal e limão, agora a combinação é melhor ainda: tequila, limão e camarão.

Lanço a seguinte pergunta: O que te inspira a cozinhar um determinado prato?

As cores, ingredientes, cheiros e lugares visitados acabem me influenciando, e muito, na hora que eu estou pensando em um prato saboroso.

Dias desses estava em casa e vi uma daquelas reportagens desses canais de viagem e lembrei da trip para o México. Tradições mexicanas como pimentas frescas e tequila me ajudaram a fazer este prato característico e o resultado é uma refeição gourmet rápido com ingredientes simples que criam sabores simplesmente deliciosos.

Bandeja com tequila, limão e camarão

Essa é uma daquelas receitas que você precisa ter sempre em mente para aquele momento onde você quer mostrar todo o seu lado cosmopolita de ser.

Ingredientes da tequila, limão e camarão

  • 1 quilo camarão cru grande limpos e descascados
  • 2 a 3 chile serrano, picada
  • 4 dentes de alho picados
  • ¼ xícara de suco de limão fresco
  • ¼ xícara de tequila prata
  • 4 colheres de sopa de molho mexicano picante
  • Sal e pimenta a gosto
  • Azeite de oliva
  • ¼ xícara de coentro picado para finalizar

Modo de fazer a tequila, limão e camarão

Tequila, limão e camarão

  1. Absorva o excesso de água do camarão pressionando sobre ele algumas folhas de papel toalha. Tempere levemente com sal, pimenta, 2 colheres de sopa de suco de limão e 2 colheres de sopa de azeite de oliva. Deixe descansar na geladeira.
  2. Em uma frigideira funda, aqueça 3 colheres de sopa de azeite no fogo médio-alto por cerca de 3 minutos. Quando estive quente, coloque o alho e chile serrano e mexa frequentemente para que o alho não queime. Deixe cozinhar por 1 minuto. Adicione o camarão e deixe cozinhar por uns 2 minutos ou até que ele começar a ficar mais rosado.
  3. Adicione o suco de limão, tequila, molho de pimenta, pitada de sal e pimenta, mexendo sempre bem apurar o gosto de camarão, deixando cozinhar por mais uns 2 minutos.
  4. Em um prato, coloque uma porção de arroz ou pão, coloque o camarão e por cima de tudo, adicione o liquido do cozimento junto com o alho e o chile serrano. Polvilhe o coentro picado e sirva.

Finalizando

Esse foi um prato tão empolgante que durante o preparo não resisti e derrubei algumas pequenas doses de tequila goela abaixo. O efeito foi devastador mas extremamente reconfortante quando o paladar alcançou uma dose extra de tequila junto com os camarões. Já o molho de pimenta deixa a boca ainda mais nervosa por uma garfada. Valeu muito a pena!

Recomendo uma garrafa de água com gás para acompanhar. Acredite, você vai precisar! :P

The post Tequila, limão e camarão appeared first on Papo de Bar.

Author: "Pipita Chef" Tags: "Gastronomia, frutos do mar, gastronomia ..."
Comments Send by mail Print  Save  Delicious 
Next page
» You can also retrieve older items : Read
» © All content and copyrights belong to their respective authors.«
» © FeedShow - Online RSS Feeds Reader